Púrpura Trombocitopênica Idiopática

PURPURA TROMBOCITOPENICA IDIOPATICA – SINTOMAS, CAUSAS E CARACTERISTICAS DO DIAGNOSTICO
Sangramento por mucosas, fácil aparecimento de equimoses e sangramento.
Petéquias, equimoses; esplenomegalia rara.
Trombocitopenia grave, tempo de sangramento prolongado; elevação da lgG associada a plaquetas em 95% dos casos, embora inespecífica; medula óssea com megacariócitos normais ou aumentados.
Pode estar associada a doença auto-imune (p. ex., LES), infecção por HIV, distúrbios linfoproliferativos ou anemia hemolítica
Coombs-positiva (sindrome de Evans).

DIAGNOSTICO DIFERENCIAL
. Leucemia aguda
. Sindrome mielodisplásica
. Púrpura trombocitopênica trombótica
. Coagulação intravascular disseminada
. Leucemia linfocítica crônica
. Anemia aplásica
. Uso abusivo de álcool
. Toxicidade medicamentosa (p. ex., quinidina, digoxina)
. AIDS
. LES

PURPURA TROMBOCITOPENICA IDIOPATICA TRATAMENTO
A prednisona, a imunoglobulina intravenosa ou a imunoglobulina anti-Rh-D (WinRho) em pacientes Rh_positivos exibem, agudamente, uma elevada taxa de sucesso.
Esplenectomia, se não houver resposta à terapia inicial, para a doença recidivante ou pacientes que necessitarn de altas doses de esteróides para manter uma contagem plaquetária aceitável Danazol, vincristina, vimblastina, azatioprina, ciclofosfamida, ciclosporina e rituximab para os casos refratários; a imunoadsorção plasmática também pode ser bem sucedida em alguns casos refratários.
Reservar transfusão de plaquetas para os casos de hemorragia ameaçadora à vida; às vezes, ocorre interrupção do sangrameito mesmo quando a contagem de plaquetas apresenta pouca ou nenhuma elevação.

Dica:
Sequencia de sangramento plaquetario á medida que a contagem de plaquetas cai: primeiro a pele, depois as mucosas e, por fim, visceras; assim, a ausencia de petéquias cutaneas indica baixa probalidade de hemorragia intracraniana.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Publicado em 09/02/10

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 9/02/2010 às 6:40 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)