Relógio HM4 Thunderbolt - Projecto MB&F - Maximilian Büsser - Fotos Antes e Depois
Fotos Antes e Depois

Relógio HM4 Thunderbolt – Projecto MB&F – Maximilian Büsser

Atualizado em 13 Janeiro, 2018

O tempo tem uma forma de partir as nossas memórias em fragmentos minúsculos. Peças tão frágeis e delicadas que se deixam apanhar pelos ventos do tempo e se espalham ao longo do caminho da vida, acabando por ser esquecidas. Tentar capturar e preservá-las dentro dos confins da nossa mente, torna-se cada vez mais difícil à medida que o tempo passa, e lentamente começam a desvanecer-se…enterradas para sempre no passado.

Mas nem tudo é esquecimento, e as memórias da infância assumem-se normalmente como uma excepção. Afinal, nada é mais forte do que as memórias criadas pelas experiências de vida de uma criança, e que moldam a sua vida em adulto. Medos, ansiedades e mesmo a forma como olhamos o mundo, são definidas durante os nossos primeiros anos de vida.

Maximilian Büsser é uma prova viva de que ao longo da nossa vida adulta somos invariavelmente influenciados pelas experiências que moldaram o nosso passado enquanto crianças. Todo o projecto da MB&F da sua autoria revela aqui e ali a influência destas memórias marcantes, e a mais recente criação a sair dos ateliers da marca suíça assume-o mais do que nunca. O HM4 materializa o imaginário de Max Büsser, reflectindo as aventuras que as dezenas de modelos de aviões em miniatura que coleccionava lhe proporcionaram. O Relógio HM4 Thunderbolt é o produto da fantasia de uma criança conjugada com a tenacidade de um homem, e revela-se como uma surpreendente escultura cinética, totalmente inédita no mundo da alta relojoaria. A tridimensionalidade marcante do HM4 assume-se como o bilhete de entrada para uma nova realidade no domínio da alta relojoeiria até agora nunca experimentada. E facilmente se perceberá porquê.

O Relógio HM4 Thunderbolt

As formas da caixa do HM4 Thunderbolt são inspiradas pelo mundo da aviação, e juntamente com a máquina que se movimenta dentro dela, representam um só elemento. Nenhuma podia existir sem a outra, mas individualmente representam uma verdadeira obra de arte por direito próprio. Desenvolvido ao longo de três anos, o movimento mecânico de corda automática do HM4, contempla mais de 300 componentes, e foi criado especificamente para este modelo. Dois tambores de corda dispostos horizontalmente impulsionam dois grupos de engrenagens verticais destinados a transmitir o movimento cadenciado aos dois elementos gémeos, e cujo propósito é o de indicar as horas e os minutos, e a reserva de marcha ou corda restante. As formas esguias e aerodinâmicas da caixa em titânio, destacam as áreas cobertas por cristal de safira, que só por si requerem mais de cem horas de trabalho para poderem assumir a superfície cristalina e transparente que literalmente ilumina a complexidade micro mecânica do movimento no seu interior. Cada componente e forma têm no HM4 um propósito técnico definido onde nada é supérfluo, e onde cada linha e curva assumem uma harmonia quase poética.

Apesar de o HM4 não ter sido desenvolvido propositadamente para indicar o tempo, desempenha no entanto esse papel de forma surpreendente. A posição perpendicular dos mostradores em relação ao pulso do utilizador, possibilitam uma legibilidade fora do comum e extremamente prática, isentando-o do habitual movimento angular que executamos de forma quase inconsciente. Estes mesmos mostradores são controlados cada um a partir da sua própria coroa, localizada no extremo oposto de cada “turbina᾿. Qualquer movimento de cada uma das coroas, é transmitido de forma directa e instantânea aos ponteiros cobertos com Super-LumiNova dos mostradores.

Segundo Max Büsser, a pintura impressionista assustava os adeptos do classicismo sendo largamente incompreendida. Durante o século XIX a maioria dos pintores limitava-se a desenhar ou pintar o que via, replicando o mais possível a realidade, dando pouca margem a qualquer pincelada emocional. Com a introdução da fotografia, mesmo os maiores artistas tinham dificuldade em competir com este instrumento no domínio do realismo. Um aspecto que acabou por dar destaque a artistas excepcionais como Monet, Cèzanne ou Renoir, que passaram a poder pintar libertos de qualquer restrição emocional.

Max afirma-nos que as criações da MB&F parecem ter o mesmo efeito junto de uma fatia dos apreciadores da alta relojoaria que não transpuseram ainda a fronteira entre uma relojoaria classicista, e uma na qual a criatividade e expressividade desempenham um papel fundamental. O Relógio HM4 Thunderbolt não deverá mudar este paradigma nos tempos mais próximos, apelando certamente apenas a uma minoria de entusiastas. Uma minoria representada no entanto por alguns dos mais importantes coleccionadores da actualidade, e que vêem no HM4 uma criação de pura arte cinética tridimensional que poderá marcar uma mudança histórica na relojoaria!

Atualizado em 13 Janeiro 2018

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *