3 Remédios Caseiros para Corrimento Amarelado: Supositório de alho, Banho de assento e Chá de Pau d’Arco

Revisado por Drª Raquel Pires (Nutricionista) a 19 novembro 2018 - Publicado a 29 de outubro de 2014

O corrimento vaginal é algo que faz parte da vida de todas as mulheres, contudo este pode sofrer algumas alterações ao longo da vida de muitas mulheres.

Pau d'Arco

Numa fase normal de corrimento, este não apresenta qualquer tipo de odor e o seu fluxo é normal, porém estas características podem alterar-se ligeiramente de mulher para mulher, pois estas dependeram de organismo para organismo e como sabemos ninguém é igual a ninguém.

Para além disso o corrimento vaginal dependerá muito do ciclo menstrual da mulher e da faixa etária em que a mulher se encontra, sendo este mais abundante na segunda fase do ciclo menstrual e quase inexistente antes da primeira menstruação e durante a menopausa.

Todo isto devido à diminuição da produção de hormonas no organismo.

Para além destas alterações, o corrimento também sofre algumas alterações durante a fase de gestação, sendo que nesta fase da vida da mulher geralmente sofre um aumento.

Apesar do corrimento vaginal ser algo muito comum, em alguns casos, quando este começa a sofrer alterações de cheiro e de cor, apresentando-se por vezes com uma cor amarelada, pode ser sinal que a mulher contraiu uma doença sexualmente transmissível, como é o caso da tricomoníase (doença originada pelo parasita Trichomonas vaginalis), da gonorreia ou da clamídia.

Conheça 9 Tratamentos Caseiros para Combater o Parasita Causador da Tricomoníase

Esta doença surge através de contacto sexual com o parceiro que seja portador deste vírus, porém esta doença só é transmitida através do contacto com a vagina e o pénis ou através do contacto de vagina com vagina, não podendo assim ser transmitida através do ânus ou da boca.

Para além da alteração da cor e do odor do corrimento esta doença poderá trazer mais malefícios na vida intima da mulher, como é o caso da dor durante o ato sexual, dor ao urinar coceira e dor pélvica.

Deste modo, é extremamente importante que consulte um ginecologista assim que detetar algum tipo de alterações no seu corrimento.

Geralmente o diagnóstico da doença passa pela observação do corrimento ou até mesmo da realização do exame Papanicolau.

Após ser realizado um diagnóstico é extremamente importante que comece a tratar este problema, pois em casos mais graves, este tipo de doenças poderá agravar e originar infecções mais graves, como é o caso da sida.

Apesar do corrimento amarelado representar maioritariamente algo negativo, este por vezes pode ser muito comum em mulheres que estejam na idade fértil, no entanto é importante frisar que este só é normal quando não apresentar qualquer tipo de odor.

Na maior parte das vezes este tipo de corrimento aparece geralmente antes da menstruação e tem tendência a apresentar uma cor amarelada devido ao contacto do muco com o ar.

Por sua vez, se na fase da gestação se se deparar com qualquer tipo de corrimento amarelado é importante que comece de imediato a tomar algumas precauções, bem como o acompanhamento médico, pois em alguns casos este problema poderá levar a um parto prematuro ou ao nascimento do bebé com o peso abaixo da média.

Deste modo é extremamente importante que faça de imediato o tratamento indicado pelo seu médico, sendo este na maior parte das vezes realizado através de Metronidazol ou Tinidazol.

Apesar de até agora estarmos a associar unicamente este problema às mulheres, este problema também poderá ser desenvolvido pelo homem, tendo este também a sua origem nas infecções geradas pelas doenças sexualmente transmissíveis.

Medicamentos para tratar o problema

Tal como já fora referido anteriormente, o tratamento para este problema, passa na maior parte das vezes pela utilização de antibióticos e antiparasitários, como é o caso do Metronidazol ou do Tinidazol.

Remédios Naturais

Contudo existem alguns tratamentos caseiros que quando conciliados com os tratamentos recomendados pelo médico, poderão acelerar o processo de cura, como é o caso do chá de Pau d’Arco, onde graças às suas propriedades antibióticas e antivirais nos permite combater eficazmente este tipo de problemas.

Chá de Pau d’Arco

Para preparar este chá basta fazer uma infusão com 15 gramas de casca de Pau d’Arco e beber 4 a 5 chávenas ao longo do dia.

Infusão de Goiabeira

Outra infusão que poderão utilizar para acabar com o corrimento amarelado e com o mau odor vaginal é a infusão de goiabeira, sendo esta utilizada através do banho de assento.

Para preparar este remédio caseiro basta fazer uma infusão com 20 folhas de goiabeira e um litro de água.

No entanto ao preparar esta infusão as folhas deverão ser adicionadas unicamente depois da água ferver durante 15 minutos e ao colocar as folhas deve-se retirar imediatamente do lume, depois é só colocar a infusão num recipiente e fazer o banho de assento.

Para obter todos os benefícios deste tratamento é recomendado que lave a região genital 3 a 4 vezes ao dia, pois só assim este será eficaz.

Supositório de alho (para colocar na vagina)

Supositório Vaginal De AlhoO alho é muitas vezes usado para tratar a tricomoníase. Pesquisas realizadas indicam que o alho exerce um efeito significativamente adverso sobre os protozoários que fazem desencadear a condição. (1)

Pensa-se que o trissulfureto de dialilo (Allitridin), um composto presente no alho, seja o principalmente responsável pela atividade antiprotozoária do bolbo. (2)

Como usar:

Faça um supositório de alho envolvendo um dente de alho descascado (inteiro) em gaze. Mergulhe-o em óleo vegetal, de preferência, azeite virgem extra biológico, e insira na vagina. (3)

Acredite que, usar o supositório de alho durante 3 a 5 dias vai fazer toda a diferença. Mas certifique-se de mudar o supositório a cada 12 horas.

Adicionar o alho na dieta também pode ser útil não só para as mulheres, como também para os homens.

Ainda falando do tratamento, ao deparar-se com este problema, é importante que tanto a pessoa afetada como a pessoa com quem mantém uma relação intima faça o tratamento, tudo isto de forma a tratar eficazmente a doença e a evitar a sua transmissão.