Corrimento Esverdeado: O que pode ser? Conheça 12 Tratamentos Caseiros Eficazes

Publicado por Equipe Editorial a 27 de outubro de 2014 - Atualizado em 1 outubro 2018

O corrimento vaginal é um evento que faz parte do organismo de todas as mulheres, porém o corrimento pode por vezes sofrer algumas alterações a nível de densidade cor e cheiro, deixando assim de ser um corrimento normal. Entende-se por corrimento normal, aquele que não apresenta cor nem cheiro.

Corrimento Vaginal Verde O Que Significa E Quais São Os Sinais Das Infecções

Causas

Geralmente as alterações da flora vaginal, são os principais responsáveis pela alteração do corrimento vaginal. Dentro das principais causas podemos identificar:

– Maus hábitos de higiene intima;

– Prática de relações sexuais sem preservativo;

– Problemas de pele;

– Doenças sexualmente transmissíveis;

– Alteração do ph vaginal;

– Atrofia vaginal;

– Infecção pélvica;

De seguida encontra uma visão geral das doenças prováveis:

Gonorreia

A gonorreia é uma infecção sexualmente transmissível causada pela transmissão oral, anal ou vaginal de uma bactéria conhecida como Neisseria gonorrhoea. A infecção é manifestada em qualquer mulher, 2 a 10 dias, ou em casos raros após três semanas da sua transmissão.

As manifestações comuns da Neisseria gonorrhea incluem:

  • Queimação intensa e coceira excessiva na área do Hímen.
  • Muco vaginal espesso verde ou verde amarelado.
  • Desconforto durante o ato de fazer xixi.
  • Pequenas manchas de sangue entre os períodos.
  • Relações sexuais dolorosas.
  • Incontinência urinária.
  • A irritação do colo do útero resulta em doença inflamatória pélvica.

Cervicite

A inflamação do colo do útero resulta numa condição denominada de Cervicite (ou endocervicite). Ocorre devido a uma série de razões que incluem, infecções sexualmente transmissíveis, o crescimento de bactérias no canal vaginal, ou algumas reações alérgicas.

As alergias vaginais são causadas com mais frequência pelo uso de contraceptivos como preservativos, espermicidas, capas cervicais e diafragmas. Outros sinais comuns de Cervicite encontrados são problemas de infertilidade e sangramento vaginal.

Clamídia

A clamídia é uma infecção comum, detectada muitas vezes em mulheres sexualmente ativas com múltiplos parceiros.

O organismo causador da infecção é a bactéria Chlamydia trachomatis, que infecta principalmente o colo do útero, a uretra, o reto e a vagina.

A secreção vaginal devido a esta infecção pode variar de branco, amarelo ou verde.

Predominantemente a bactéria resulta numa infecção do trato urinário (ITU). Devido ao desenvolvimento da infecção do trato urinário, a mulher pode experimentar sensação de queimação durante a micção e ter a vondtade de urinar com frequência.

Outros sintomas de clamídia observados incluem menstruações dolorosas, manchas entre os ciclos menstruais, dores abdominais severas com coceira no hímen.

Algumas mulheres podem sentir peso ao redor dos quadris, onde deve ser procurada atenção médica sem demora.

Vaginose bacteriana

A vaginose bacteriana é um resultado do crescimento bacteriano excessivo no trato vaginal. A infecção tem como resultado uma vagina malcheirosa, que melhora o pós-sexo.

O corrimento verde é um dos sinais que manifestam a transmissão da infecção. Outros sinais incluem, coceira vaginal crônica, sensação de queimação durante a micção e vagina com cheiro de peixe podre.

Muitas mulheres não apresentam sintomas de vaginose bacteriana. No entanto, quando ocorrem alguns dos sintomas acima listados ou há a presença de corrimento vaginal verde amarelado com febre, é necessário consultar o médico para tratamento imediato.

Tricomoníase

Outra infecção que apresenta secreção vaginal e é transmitida sexualmente – a tricomoníase. A infecção é causada por um parasita chamado Trichomonas vaginalis.

Embora seja uma IST, não exibe sinais anormais de transmissão em muitas mulheres. As manifestações, que normalmente são visíveis 5 a 28 dias após o contágio incluem, dor na área vaginal, desconforto durante a micção, alterações no fluido vaginal, que aumentam de volume ou se tornam uma secreção vaginal fina, verde e desagradável, e experiência sexual desagradável.

Objetos estranhos presentes na vagina ou colo do útero

Dois excelentes exemplos são, ou um Dispositivo Intrauterino (DIU) ou mesmo um tampão retido na vagina durante um período mais longo. Ambos podem causar corrimento vaginal esverdeado.

Os sinais mais comuns de infecção devido à presença de um objeto estranho dentro da vagina ou útero incluem, corrimento cheirando a peixe podre e desconforto ao fazer xixi.

Causas da secreção vaginal verde claro?

Esta secreção vaginal é normalmente vista quando fica retido um objeto estranho dentro da vagina ou no colo do útero. São vários os produtos que podem perturbar o PH e a flora bacteriana normal na vagina.

Quando perturbada, pode levar à mudança do fluido vaginal, de branco para um esverdeado claro ou marrom claro. Outros sintomas que acompanham este problema incluem:

  • Coceira vaginal.
  • Desconforto ao urinar.
  • Erupções cutâneas.
  • Sangramento.
  • Sexo desagradável.

A antibioticoterapia (toma de antibióticos) nestes casos é recomendada. No entanto o tratamento falhará se o objeto estranho retido não for completamente removido do local.

Tal como vimos, o corrimento vaginal, pode sofrer muitas alterações a nível de cor, podendo apresentar diferentes tonalidades, acastanhadas, amareladas, rosadas, acinzentadas e esverdeadas, consoante a patologia em causa.

O corrimento esverdeado, tem na sua origem infecções vaginais fúngicas, podendo vir acompanhado de desconforto, inchaço vaginal, coceira, sensibilidade e ardor.

Quais os sintomas de corrimento verde?

Geralmente o corrimento vaginal verde é um produto final de uma infecção iminente, mas em alguns casos, a secreção também pode ser causada por infecções secundárias.

A descarga pode começar com uma textura espumosa que mais tarde evolui para um muco de aspecto amarelo, e depois levemente verde antes de se tornar verde espesso.

E Quando ocorre corrimento sem cheiro, de cor verde-amarelado?

Este é um sintoma comum de uma infecção sexualmente transmissível conhecida como clamídia, que infecta tanto mulheres como homens, em qualquer faixa etária. Muitas vezes o indivíduo não demonstra sinais de contágio. Para além do corrimento verde amarelado sem cheiro, outros sinais que podem indicar a infecção incluem:

  • Relações sexuais dolorosas
  • Desconforto abdominal inferior
  • Sangramento entre o ciclo menstrual.

E no caso de corrimento pegajoso e esverdeado?

Esta descarga fluida e pegajosa é característica da infecção por vaginose bacteriana, geralmente contraída devido aos desequilíbrios normais do crescimento bacteriano vaginal.

Quando se manifesta?

O muco vaginal é observado em todos os casos em que é perturbado o equilíbrio da flora vaginal, levando à expulsão de líquido esverdeado espesso pela vagina. As razões mais comuns incluem:

  • Uso de medicação antibiótica ou esteróide.
  • Ingestão de pílulas anticoncepcionais.
  • Infecções fúngicas.
  • Infecção pelo vírus do papiloma humano (HPV), câncer do colo do útero (Câncer cervical).
  • Diabetes.
  • Ducha vaginal (lavagem vaginal).
  • Uso de produtos de higiene pessoal perfumados.

Por que o fluido vaginal aumenta durante a gravidez?

Corrimento Vaginal Esverdeado Durante A Gravidez

A secreção vaginal durante a gravidez é imensa devido aos desequilíbrios hormonais do estrogênio. Nestes casos, geralmente trata-se de corrimentos incolores e inodoros. Se notar qualquer corrimento vaginal anormal durante a gestação, é necessário procurar aconselhamento médico imediato.

O corrimento nestes casos é tanto que muitas vezes a grávida sente-se tão molhada que pensa que está a perder urina ou pensa que a bolsa amniótica (bolsa de águas) rebentou!

Tratamentos Caseiros

Tendo em conta o desconforto causado pelo mesmo, hoje queremos dar-lhe a conhecer alguns remédios caseiros que podem ser extremamente úteis nesta fase.

Sabemos que o tratamento convencional com medicamentos de venda livre pode resultar no alívio temporário dos sintomas. No entanto, também reconhecemos que as terapias caseiras não só ajudarão a prevenir a recorrência da infecção com menos efeitos colaterais para o organismo, como também poupam na sua carteira!

Chá de goiabeira para Corrimento esverdeado

Folhas Para Chá De Goiabeira

A infusão de folhas de goiabeira poderá ser um dos melhores tratamentos caseiros para o corrimento esverdeado, tudo isto graças às suas propriedades antibacterianas. As propriedades desta planta maravilhosa atuam eficazmente contra os protozoários, responsáveis pela tricomoníase, o principal agente causador do corrimento esverdeado.

Preparação

Para preparar o chá de goiabeira deve colocar um litro de água numa panela, adicionar 5 a 6 folhas de goiabeira e levar a ferver durante 10 a 15 minutos. Terminado esse tempo, retire a panela do lume, coe o chá e tome 2 a 3 chávenas ao longo do dia.

Vinagre de maçã

Vinagre De Maçã

A propriedade anti-séptica e ácida do vinagre de maçã não só ajuda a restaurar o pH vaginal, como também ajuda a remover o mau cheiro.

Como utilizar:

Combine proporções iguais de vinagre de maçã e água, numa caneca. Use a solução resultante para lavar a vagina uma a duas vezes ao dia para um hímen saudável e livre de bactérias.

Alternativamente, misture duas colheres de chá de vinagre de maçã num copo de água e consuma diariamente.

Não existem evidências científicas que comprovem que a ducha vaginal com vinagre de maçã ajude a manter uma boa saúde vaginal, mas os relatos consideram-na extremamente eficaz no tratamento do corrimento vaginal em muitas mulheres. Dê preferência ao vinagre orgânico.

Sementes de feno-grego

Além da restauração do pH da vagina, as sementes de feno-grego são um impulsionador natural do sistema imunológico, desempenhando também um papel importante na resolução de alguns distúrbios menstruais.

Como aplicar:

Adicione uma colher de chá de sementes de feno-grego a um copo de água e deixe repousar durante a noite. Filtre a solução na manhã seguinte e consuma com o estômago vazio.

Alternativamente, ferva duas colheres de chá de feno-grego em cinco copos de água durante trinta minutos. Coe a solução depois de atingir a temperatura ambiente e use a solução como uma lavagem vaginal.

Groselha indiana

Phyllanthus Emblica, O Amalaki, Groselha Indiana Ou Amla

As propriedades anti-infecciosas da groselha indiana (amla) podem ajudar a combater algumas doenças vaginais. A fruta também ajuda a impulsionar o sistema imunológico, devido ao conteúdo rico em vitamina C, que ajuda a combater o corrimento vaginal verde.

Como utilizar:

Use uma colher de chá de pó de groselha indiana e misture com mel para formar uma pasta grossa. Consuma a pasta duas vezes por dia para melhores resultados.

Alternativamente, ferva uma colher de chá de amla seca em um copo de água e deixe ferver até reduzir o líquido para metade. Beba regularmente.

Ambos os remédios precisam ser tomados com o estômago vazio.

Banana

Banana

A banana pode ser um tratamento eficaz não só para tratar perturbações da digestão como também para doenças vaginais. O consumo de duas a três bananas maduras proporciona um alívio rápido. Alternativamente, misture duas colheres de chá de suco de banana com uma colher de chá de açúcar de palma, misture bem e consuma.

Figo

Figos Secos

As propriedades laxantes e benéficas dos figos ajudam a liberar as toxinas nocivas para fora da vagina, tornando-os um remédio caseiro ideal para as descargas vaginais.

Como aplicar:

Mergulhe dois figos secos num copo de água durante a noite. No dia seguinte consuma com o estômago vazio.

Misture proporções iguais das cascas de figueira-de-bengala (Ficus benghalensis) e figo. Use uma colher de chá deste pó com dois copos de água para lavar a vagina.

Quiabo

Consuma Quiabo Para Ter Ossos E Dentes Mais Fortes E Saudáveis

Este vegetal mucilaginoso é visto como maravilhoso para aliviar o corrimento de muco vaginal. Use 100 gramas deste vegetal e pique-o. Ferva num litro de água, até que o volume original da água reduza para metade. Arrefeça e coe a solução.

Divida a solução resultante em três doses, e tome cada uma delas com um adoçante de sua escolha, preferencialmente stevia. Consuma regularmente para resultados mais eficazes.

Cranberry (Arando ou oxicoco)

A propriedades antifúngicas e antibióticas do cranberry ajudam na prevenção do acúmulo de bactérias nocivas na vagina. Um único copo de suco de cranberry sem açúcar ajuda a reduzir o desconforto. Além disso, também pode ser tomado sob a forma de suplemento, em comprimidos, cápsulas, extrato em pó, etc.

Lilás da Índia, Neem, Nim (Azadirachta indica)

Folhas De Nim, Neem (Azadirachta Indica)

Mais uma árvore com excelentes características para tratar o mau odor vaginal e a coceira, muitas vezes presente durante o corrimento vaginal.

Como utilizar:

Ferva um punhado de folhas de neem em água. Deixe arrefecer e coe a solução. Use-a como uma lavagem vaginal.

Alternativamente, asse a seco (torre) um punhado de lilás indiano numa panela. Deixe arrefecer e transforme as folhas num pó grosso. Use duas colheres de chá deste pó e faça uma pasta com água. Aplique a pasta na área vaginal duas vezes ao dia para obter melhores resultados.

Iogurte Natural

Iogurte Probiótico Natural

As boas bactérias presentes do iogurte atuam como um prebiótico maravilhoso, ajudando a manter a flora vaginal em equilibrio.

Romã

Suco De Romã

As propriedades curativas e medicinais da romã desempenham um papel eminente no alívio do desconforto do corrimento vaginal. As folhas, frutos e, assim como a casca, são enriquecidos com propriedades medicinais.

Como aplicar:

Para melhores resultados deve consumir diariamente o suco recém extraído durante um mês.

Moa 30 folhas de romã juntamente com uma colher de chá de pimenta-preta até formar uma pasta. Consuma a pasta com meia xícara de água duas vezes ao dia durante 21 dias.

A casca da romã também pode ser moída e esmagada em pó. Misture uma colher de chá deste pó com 250 ml de água use na ducha vaginal.

Açafrão

Flor De Açafrão De Nome Científico Crocus Sativus L E Estigmas Secos Para Fazer Chá

Outro reforço imunológico que ajuda a tratar alguns tipos de secreções vaginais. Para uma recuperação mais rápida, ferva uma colher de chá de açafrão (Crocus sativus), em um quarto de água até que o volume original seja reduzido a metade. Divida a solução em três porções e beba uma porção com quantidades iguais de água até que a condição melhore.

Nota: Não confundir a verdadeiro açafrão (Crocus sativus), com o açafrão-da-terra (Curcuma longa).

Dicas para Prevenção

Mantenha uma boa higiene pessoal e Evite as duchas vaginais. Não existe a necessidade de limpar o interior da vagina com coisas como “duchas ou sabão”. Na verdade, recomenda-se fortemente não limpar muito bem a área, porque é esse corrimento presente que mantém a vagina realmente saudável! São fluidos vaginais preenchidos com muitas bactérias protetoras, e interromper esse ambiente com “duchas e sabão” pode levar a mais infecções.

Evite usar produtos de higiene pessoal perfumados na vagina, bem como usar roupas íntimas muito apertadas.

Use roupas feitas de algodão, uma vez que este controla a transpiração vaginal, limitando o desenvolvimento de infecções.

Nos dias em que existe a presença de corrimento amarelado, recomenda-se a utilização de pensos diários.

Lave as roupas interiores com um detergente suave e pendure-as ao sol para secar.

Evite o sexo desprotegido e usar a mesma calcinha durante dois dias seguidos.

Limpe sempre a vagina da frente para trás, e não do ânus para a vagina.

O consumo de alimentos fritos e ricos em gorduras precisa ser limitado. Tal como o consumo de bebidas com cafeína, carbonatadas (com gás) e com álcool.

Mantenha o corpo bem hidratado.

Troque as roupas interiores duas a três vezes por dia até que o desconforto diminua.

Mesmo que as terapias naturais sejam eficazes na redução dos corrimentos vaginais esverdeados, é sempre uma opção mais segura procurar ajuda profissional para evitar o agravamento dos sintomas.

As mulheres grávidas devem procurar ajuda médica e excluir qualquer um destes remédios caseiros.

Referências

https://www.buoyhealth.com/
https://www.cdc.gov/
https://www.mayoclinic.org/
http://www.pamf.org/
https://www.health.harvard.edu/
https://www.nhs.uk/
https://en.wikipedia.org/