Riscos do Bronzeamento Artificial nos Solários - Fotos Antes e Depois
Fotos Antes e Depois

Riscos do Bronzeamento Artificial nos Solários

Nos últimos anos, os centros de bronzeamento, vulgarmente designados de solários, têm vindo a estabelecer-se de forma crescente e acelerada em vários países de todo o mundo e também em Portugal, sem legislação que oriente a sua utilização.

Os solários emitem radiação ultra-violeta (UVA e UVB). A excessiva exposição à radiação UV solar ou de fontes artificiais é de preocupação considerável em saúde pública, pois esta radiação tem um papel importante no desenvolvimento de cancro da pele, cataratas e outras lesões oculares, suprime o sistema imunitário e pode também resultar no envelhecimento prematuro da pele.

As consequências da utilização regular de solários poderão incluir dor e sofrimento, morte prematura, desfiguramentos, bem como custos substanciais para os sistemas nacionais de saúde no rastreio, tratamento e monitorização de doentes com cancro da pele. Por esta razão, a Organização Mundial de Saúde (OMS) preparou um guia prático dirigido às autoridades de saúde, para as apoiar e dar orientações no desenvolvimento de uma política de saúde pública em relação aos solários, de forma a reduzir os riscos associados ao seu uso.

Solários: riscos e orientações

A radiação ultravioleta (UV) provém do sol e de outras fontes. A região UV cobre um comprimento de onda que varia entre 100-400nm e é dividida em três bandas: UVA, UVB e UVC. Estes tipos de radiação ultravioleta são classificados como prováveis carcinogénios
humanos.

Os solários emitem radiação UVA e UVB. Em geral, estes aparelhos emitem predominantemente radiação UVA, a qual se pensa ser a menos lesiva do espectro da radiação. Contudo, nos últimos anos, os solários têm sido feitos para produzir níveis mais elevados de UVB para imitar o espectro solar e acelerar o processo de bronzeamento. A excessiva exposição à radiação UV solar ou de fontes artificiais é de preocupação considerável em saúde pública. A radiação UV tem um papel importante no desenvolvimento de cancro da pele, cataratas e outras lesões oculares e suprime o sistema imunitário.

A radiação UV cumulativa pode também resultar no envelhecimento prematuro da pele. Em termos globais, ocorrem anualmente entre dois a três milhões de cancros da pele nãomelanomas e aproximadamente 132 000 melanomas malignos. Em cada três casos de cancro diagnosticados, um é da pele. Além disso, a Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que a exposição solar pode ser um factor chave no desenvolvimento de cataratas em cerca de 20% dos casos registados.

Embora a OMS não recomende o uso de aparelhos UV para bronzear com propósitos cosméticos, reconhece-se que os solários continuam a estar disponíveis para o público. Por esta razão são necessárias orientações para reduzir os riscos associados ao seu uso.
Este guia prático, preparado por Craig Sinclair, OMS, é dirigido às autoridades de saúde para as apoiar no desenvolvimento de uma política de saúde pública em relação aos solários.

Aparelhos de radiação ultravioleta artificial
O desejo de um tom bronzeado, porque está na moda ou por questões estéticas, conduziu ao desenvolvimento de uma vasta indústria de bronzeado artificial, em especial nos países ocidentais onde a população residente tem um tom de pele mais claro. A exposição à radiação ultravioleta (UV) provoca uma transformação da melanina, um pigmento cutâneo, que escurece e produz o efeito bronzeado, excepto nas pessoas que não se bronzeiam e nas quais a pele apenas se queima .

Em princípio, quer a exposição seja natural (solar) ou artificial (solário), a reacção de um indivíduo à radiação UV (bronzeado ou queimadura solar) é semelhante. Em 1994, a Organização Mundial de Saúde (OMS) publicou uma revisão científica importante confirmando a existência de efeitos adversos para a saúde associados à utilização de solários. Os resultados deste relatório têm vindo a ser confirmados por várias entidades reconhecidas, incluindo a International Comission of Non-Ionizing Radiation Protection, National Toxicology Program of the Department of Health and Human Services,o National Radiological Protection Board (Reino Unido)4, o National Health and Medical Research Council (Austrália) e o EUROSKIN . Em 2000, decorreu em Hamburgo um workshop da OMS sobre solários, no âmbito da conferência inaugural do EUROSKIN.

Os aparelhos que emitem radiação UV artificial são utilizados para tratar certas patologias como a carência de vitamina D e a psoríase. Contudo estes tratamentos apenas devem ser efectuados sob vigilância médica. Para a maioria da população, a exposição normal ao sol,
combinada com uma dieta rica em vitamina D, constitui uma fonte suficiente de fornecimento de vitamina D ao longo do ano.

Associação entre utilização de aparelhos bronzeadores e cancro da pele, envelhecimento da pele e lesões oculares
Os efeitos nocivos para a saúde associados à exposição solar, tais como cancro da pele e envelhecimento cutâneo prematuro, estão bem documentados em relatórios nacionais e internacionais4, 8, 2 e artigos publicados em revistas médicas e submetidos a revisão interpares.

Cancro da pele
De acordo com um número crescente de dados experimentais e epidemiológicos, a exposição cumulativa aos raios UV aumenta o risco de cancro da pele. Consequentemente, a exposição aos aparelhos bronzeadores vai provavelmente agravar as consequências nocivas,
bem conhecidas, da exposição natural ao sol. Não há qualquer evidência que sugira que algum tipo de solário seja menos nefasto que a exposição natural ao sol. Foram também relatados casos de queratoses actínicas précancerosas e de doença de bowen, em utilizadores com a pele clara, que se protegiam da luz solar, após dois a três anos de utilização regular do solário.

Envelhecimento da pele
No ser humano, as lesões estruturais da pele devidas à exposição à radiação UV provocam, a curto prazo, queimaduras, fragilidade e cicatrizes, e a longo prazo um envelhecimento prematuro. Esse envelhecimento prematuro traduz-se no aparecimento de rugas e na perda de elasticidade cutânea. É geralmente irreversível sem recurso a cirurgia plastica.

Lesões oculares
Os efeitos agudos da radiação UV sobre os olhos incluem fotoqueratite, inflamação da cornea e da iris, fotoconjuntivite (uma inflamação da conjuntiva, da membrana que reveste o interior da pálpebra e o branco do olho). Os efeitos da exposição a longo prazo podem ser o aparecimento de pterigium (excrescência opaca, branca ou leitosa, fixada na córnea) e de carcinoma epidermico da conjuntiva.

Porque são os aparelhos bronzeadores um importante problema de Saúde?
Dimensão da indústria dos solarios e número de pessoas que os utilizam Os aparelhos bronzeadores são um importante problema de Saúde Pública devido à dimensão da indústria de bronzeamento artificial em termos do número de solários comerciais e do número de pessoas que os utilizam. Só nos Estados Unidos esta indústria é responsável pela facturação de 1 bilião de dólares por ano e continua em crescimento 14. No Norte da Europa, aproximadamente 10% da população recorre à utilização de solários de forma regular para se bronzear 15. Um estudo realizado na Suécia estimou que a dose de radiação ultra-violeta devida à utilização de solários pode ser da
mesma ordem de grandeza do aumento potencial em radiação ultra violeta de origem natural resultante da depleção de 10% da camada de ozono 16.

Mesmo na Austrália, um país com níveis elevados de radiação ultra-violeta, 9% dos indivíduos com idades compreendidas entre os 14 e os 29 anos relataram terem utilizado solários nos 12 meses anteriores. Estes valores indicam que tem vindo a aumentar o risco de cancro da pele e envelhecimento da pele para um número considerável de pessoas – facto que apenas será estatisticamente confirmado dentro de vários anos. As consequências da utilização regular de solários poderão incluir dor e sofrimento, morte prematura, desfiguramentos, bem como custos substanciais para os sistemas nacionais de saúde no rastreio, tratamento e monitorização de doentes com cancro da pele.

Controlos limitados da utilização de solários
Em países em que existe algum controlo governamental relativamente ao funcionamento de solários com fins comerciais, o mesmo é limitado às questões da sua aplicação e âmbito. Por exemplo, nos Estados Unidos, as primeiras regulamentações nacionais relacionadas com os solários eram da responsabilidade da Food and Drug Administration 18, que requeria que os fabricantes tivessem avisos informativos sobre os tipos de pele e recomendassem que os utilizadores usassem oculos para protecção dos olhos. À excepção de algumas Normas limitadas da International Electrotechnical Commission (IEC) na Europa não há uma normalização de regulamentos relacionados com a utilização de solários.

A Bélgica e a Suécia desenvolveram formas de controlo governamental, no entanto a França parece ter a legislação mais abrangente. Em França, a regulamentação exige que todos os equipamentos que emitem radiação ultra-violeta sejam declarados às autoridades de saúde, que os menores de 18 anos estejam proibidos de usar estes equipamentos, que todos os estabelecimentos comerciais sejam supervisionados por pessoal com formação técnica e proíbe qualquer alegação de benefícios para a saúde. Ao contrário de alguns sectores comerciais, a indústria dos solários não demonstrou capacidade significativa para se auto-regular efectivamente.

Alta intensidade da radiação UV emitida
Alguns equipamentos têm a capacidade de emitir níveis de radiação ultra-violeta até cinco vezes superiores à radiação solar verificada a meio de um dia de Verão na Austrália. Emissões de tal intensidade por parte de equipamentos produzidos por uma indústria escassamente regulamentada e onde a formação do pessoal não é obrigatória, conduzem a um aumento considerável dos riscos para a saude. O risco é maior em solários comerciais não supervisionados e quando os solários são utilizados em casa, situações em que o tempo de exposição à radiação ultra-violeta é controlado apenas pelo discernimento do utilizador.

Efeito de determinados medicamentos e cosméticos
Alguns medicamentos, como por exemplo, anti-depressivos, antibióticos, anti-psoriáticos, antifúngicos e anti-diabéticos, bem como certos cosméticos podem tornar a pele mais fotossensível e desta forma reduzir o tempo necessário para ocorrer uma queimadura da pele. Quando se verifica falta de pessoal com formação ou de metodologias de avaliação de risco, o potencial para a ocorrência de efeitos adversos para o consumidor não informado é consideravelmente maior.

Limitação de certos tipos de pele
Indivíduos com fototipo de pele I não ficam bronzeados após a exposição à radiação de um aparelho bronzeador, apenas ficam com a pele queimada. Infelizmente, sem formação adequada por parte dos operadores ou na ausência de uma utilização supervisionada, a capacidade do consumidor em reconhecer que o seu tipo de pele não é adequado para solários baseia-se apenas no auto-diagnóstico ou, o que será mais grave, numa má experiência.

Protecção limitada contra queimaduras solares
Um bronzeado adquirido num solário apenas confere uma protecção limitada contra queimaduras solares por radiação ultra-violeta. Um bronzeado obtido num solário oferece, na maior parte dos casos, apenas uma protecção equivalente à aplicação de um protector solar com FPS 2 ou 3.

Aumento do número de aparelhos self-service (não supervisionados)
Uma das principais preocupações recentes em termos de saúde tem sido o aumento do número dos solários comerciais não supervisionados. Quando estas operações são usadas conjuntamente com estratégias de preços competitivas, tais como sessões ilimitadas durante um período de tempo específico, verifica-se uma maior probabilidade de ocorrência de lesões na pele.

Perigos associados à exposição a radiações ultra-violeta na infância
É reconhecido que a exposição a radiações ultra-violeta na infância é um factor importante para o risco de desenvolvimento de melanomas na idade adulta. Por esta razão, deverá ser dada especial atenção para assegurar que as crianças não utilizam solários.

Extensão da área da pele exposta
Os solários em concha ou em dossel geralmente condicionam uma mais extensa área da pele à exposição a radiações ultra-violeta do que na maior parte das situações de exposição solar, havendo um aumento do risco para a saude.

Informação aos clientes
Avisos
Deverão ser colocados avisos em local visível – quer à entrada dos estabelecimentos, quer junto ao aparelho bronzeador – com dimensões mínimas de 21 cm x 30 cm (i.e. aproximadamente uma folha de tamanho A4) e com a seguinte informação em letra legível:

– A exposição a radiação ultravioleta tal como a proveniente dos aparelhos bronzeadores contribui para o envelhecimento da pele e pode provocar cancro da pele.
– As pessoas com dificuldade em bronzear-se ao sol não deverão usar aparelhos bronzeadores.
– Deverá ser evitada toda a exposição intencional ao sol ou a um solário nas 48 horas seguintes à utilização de solários.
– Os óculos de protecção contra as radiações UV deverão ser sempre usados durante a exposição no solário.
– Nenhum menor de 18 anos deverá usar aparelhos bronzeadores.

Formulário de consentimento do cliente
Antes de dar início a um módulo de uma ou mais sessões, o responsável do solário deverá assegurar que é fornecido ao cliente um formulário para consentimento (ver exemplo no Anexo a seguir). Isto dará ao cliente a possibilidade de compreender os riscos associados à utilização do solário.

O responsável deveria ainda assegurar que:
– o cliente assina e coloca a data no formulário
– o cliente entrega o formulário devidamente assinado e datado antes da primeira sessão de solário no estabelecimento
– o original assinado e datado é arquivado nos registos do estabelecimento por um período não inferior a dois anos
– uma cópia do formulário assinado e datado é entregue ao cliente.

O Anexo inclui um exemplo de formulário de consentimento do cliente.
Tempo máximo de exposição e irradiação
O tempo máximo de exposição deverá assegurar que nenhuma pessoa sofra de eritema (vermelhidão da pele) como resultado da exposição a radiação UV num solário. Deve existir um cuidado especial com pessoas que utilizem solários pela primeira vez para avaliar a resposta da pele. Se ocorrerem reacções adversas, deverá ser desaconselhada nova utilização do solário. Não deverão ser emitidos UVC (menos que 280 nm) em aparelhos bronzeadores.

Máxima exposição de repetição
Uma nova exposição a um solário deverá ser evitada antes de decorridas 48 horas após a exposição anterior. Em exposições regulares é aconselhável uma interrupção ocasional.

Publicidade
Não deverão ser usadas eventuais referências a benefícios para a saúde para promover o uso de solários.

Exclusões de acordo com o tipo de pele
Pessoas com fototipos de pele I e II não deveriam ser autorizadas a usar solários.

Supervisão
Um supervisor com formação deverá estar presente sempre que o solário se encontre em funcionamento, esteja o mesmo instalado num estabelecimento próprio ou esteja integrado num hotel, num centro de lazer, num gabinete de estética ou similar.

Formação dos operadores de solários
O responsável pela supervisão do funcionamento de um solário comercial deverá possuir formação adequada nas seguintes matérias:

– determinação dos tipos de pele e dos tempos de exposição
– rastreio de condições potencialmente limitadoras da exposição
– procedimentos de emergência em caso de sobre-exposição a radiação UV
– tipos e comprimentos de onda da radiação UV
– procedimentos correctos de higienização dos óculos de protecção e do solário.

Aparelhos bronzeadores não supervisionados
Não deverão ser permitidos (ou, pelo menos, desaconselhado o funcionamento) aparelhos bronzeadores sem qualquer tipo de supervisão, a funcionarem em regime de self-service.

Utilização terapêutica dos solários
A utilização terapêutica de solários apenas deveria ser realizada numa unidade de saúde e sob supervisão médica.

Aceleradores da acção de bronzear
Não deverão ser usados produtos destinados a potenciar ou acelerar a acção de bronzear.

Anexo

Exemplo de formulário de consentimento do cliente: Informação importante sobre utilização de solários
Leia com atenção a informação que se segue.
A exposição à radiação ultravioleta (UV) contribui para o processo de envelhecimento da pele e pode causar cancro da pele.
Pessoas com pele clara que não conseguem bronzear-se não devem usar os solários.
A exposição intencional em solários deve ser evitada 48 horas antes e depois da exposição solar ou exposição em solários.
Devem ser usados dispositivos de protecção dos olhos durante a utilização do solário. Não se pode ler enquanto o solário estiver em funcionamento.

Há riscos adicionais, e a utilização dos solários não é recomendada se:

– já fez tratamento de queratoses solares ou cancro de pele; ou
– já sofreu de alguma reacção anormal, ou alergia, à luz.

Pode haver riscos adicionais se estiver grávida, a tomar certos medicamentos, ou a aplicar medicamentos ou cosméticos na pele.
Se tiver alguma dúvida, consulte o seu médico antes de se expor a radiações UV.
Eu, (escreva o nome completo) _________________________________________ , maior de 18 anos, declaro que li atentamente e compreendi a informação acima e decido exporme a radiações UV neste estabelecimento.
Assinatura:
Data:
Nome do Estabelecimento:

Glossário
Aparelhos bronzeadores – Instalação ou aplicação eléctrica que pretende produzir bronzeado da pele humana utilizando a radiação UV.

Eritema – Vermelhidão da pele, mais comummente chamada queimadura solar.

Exposição intencional – Acto de tentar adquirir um bronzeado estando deitado ao sol, ou num aparelho bronzeador/tenda com um mínimo de roupa, para maximizar a exposição da pele.

Radiação ultravioleta (UV) – Parte das emissões solares que incluem luz, calor e radiação UV. A região UV cobre o comprimento de onda 100-400nm e é dividida em três bandas: UVA, UVB e UVC. Estes tipos de radiação ultravioleta são classificados como prováveis carcinogénios humanos.

Radiação UVA – O longo comprimento de onda UVA, cobre a variação 315 a 400nm. Não é significativamente filtrada pela atmosfera. Constitui aproximadamente 90% da radiação UV que atinge a superfície terrestre.

Radiação UVB – O médio comprimento de onda UVB cobre a variação 280 a 315nm. Constitui aproximadamente 10% da radiação UV que atinge a superfície terrestre.

Radiação UVC – O curto comprimento de onda UVC cobre a variação 100 a 280nm. Toda a radiação solar UVC é absorvida pela camada de ozono.

Responsável do aparelho bronzeador – Pessoa ou corporação que tem o controlo ou a gestão de um ou mais aparelhos bronzeadores num estabelecimento comercial.

Solários – Estabelecimentos comerciais com um ou mais aparelhos bronzeadores.

Participe no Forum. Deixe a Sua Dúvida ou Comentário

Campos de Preenchimento Obrigatório marcados com *



Seguir fotosantesedepois.com

Siga-nos na rede social Facebook e receba dicas sobre os temas de saúde mais atuais.

Facebook Fotos Antes e Depois
Receber Dicas de Saúde?

Se está interessado/a em receber no seu Email, dicas de saúde, remédios caseiros..., subscreva a nossa newsletter.

Contacte-nos

© 2018 Fotos Antes e Depois | Politica de Privacidade