Saiba que cuidados tomar na cirurgia de implante de silicone no bumbum

Publicado por Equipe Editorial a 20 de novembro de 2014 - Atualizado em 15 janeiro 2018

Conquistar um corpo bonito e saudável é uma tarefa árdua para muitas pessoas. E mesmo quando o visual parece perfeito, algumas delas preferem buscar a perfeição, situação na qual costuma-se contar com o precioso auxílio das cirurgias estéticas.

Em meio a tantas possibilidades de cirurgias plásticas, colocar implantes de silicone no bumbum é uma das mais solicitadas. No entanto, como todo procedimento cirúrgico, além dos riscos inerentes ao processo, existem alguns cuidados que devem ser tomados antes e durante o ato cirúrgico.

Além disso, os cuidados durante o pós-operatório exigem muita paciência e disciplina do paciente, que no decorrer de 20 dias não deve se sentar e dormir com o bumbum direcionado para baixo.

Precauções pré-operatórias

Normalmente, a equipe médica responsável por conduzir a cirurgia solicita uma série de exames. O objetivo geral é atestar a plena saúde do paciente, essencialmente no que tange a possíveis doenças e ao peso considerado ideal para cada indivíduo.

Além dos corriqueiros exames de urina e sangue, existe uma lista de verificações que passam pela medição dos níveis glicêmicos, pela avaliação dos eletrólitos, do hemograma, e coagulograma.

Caso o paciente apresente alguma doença cardiovascular ou possua histórico familiar positivo para este caso, também é solicitado um ecocardiograma.

Ao ser constatado que o paciente não detém nenhuma enfermidade que possa acarretar complicações durante o ato cirúrgico, mas está com sobrepeso, ele pode realizar a cirurgia desde que consiga emagrecer até a margem considerada segura pelos médicos. Esse procedimento é comum, já que o implante de silicone não é nada além de uma cirurgia estética e, portanto, não tem o intuito de proporcionar qualquer redução de peso.

Definição do modelo da prótese

Uma vez que o paciente esteja pronto e liberado para efetuar a cirurgia, ele deve ponderar, em conjunto com o cirurgião, sobre qual modelo de prótese colocar. Basicamente, os modelos são classificados como ovais (próteses trapezoides) e redondos (próteses semiesféricas).

Em tese, os profissionais do segmento estético afirmam que as próteses semiesféricas, com aspecto oval, proporcionam um efeito mais artificial, se for elaborado um quadro comparativo com a prótese trapezoide. Esta, ao contrário, tende a se aproximar mais de um resultado tido como natural, que é o buscado por qualquer pessoa que se submeta a uma cirurgia, seja ou não puramente estética.

De qualquer modo, o paciente tem liberdade de escolha. Isso acontece porque mesmo sendo informados sobre os possíveis resultados, muitos insistem em utilizar um determinado tamanho de prótese e seu respectivo formato.

Cuidados pós-operatórios

Após a conclusão da cirurgia, o paciente deve ter extrema cautela com a região que recebeu os implantes de silicone, ou seja, os glúteos. Dessa forma, a rotina dele sofrerá uma grande alteração, permanecendo assim durante os próximos 20 dias subsequentes ao procedimento cirúrgico.

No período exposto acima, o paciente deve dormir somente com o bumbum virado para cima. Caso a posição esteja muito desconfortável, é permitido dormir com a lateral do corpo sobre o colchão. Entretanto, sempre que possível a primeira posição deve prevalecer. Esse cuidado visa evitar que haja qualquer tipo de problema enquanto a abertura realizada ainda não estiver cicatrizada.

O mesmo raciocínio é válido para o simples hábito de se sentar.

No decorrer da recuperação após a cirurgia, a parte afetada do paciente recebe um tipo de curativo feito à base de micropore (ideal para favorecer e acelerar as cicatrizações), o qual precisa ser substituído todos os dias ao longo dos próximos 30 dias, aproximadamente.

O retorno ao trabalho é outro momento que requer atenção, uma vez que o paciente não deve realizar atividades que demandem grandes esforços. Assim, se a função exercida estiver diretamente correlacionada à execução de tarefas “pesadas”, a volta ao trabalho deve ser adiada. Caso contrário, ela pode ocorrer no decurso de uma semana, aproximadamente.

A prática de exercícios físicos só pode ser retomada quando a cirurgia já tiver completado quatro meses, e com ressalvas, já que o ideal é voltar a exercitar o corpo bem lenta e gradativamente.

Em casos emergenciais que requeiram a aplicação de injeção, ela jamais deve ser efetuada sobre os glúteos, pois o efeito do remédio seria nulo. Portanto, é importante lembrar-se desse detalhe para comunicar os médicos.

Em busca dos melhores resultados

Em média, os resultados definitivos poderão ser notados em um intervalo que oscila entre dois e seis meses. De qualquer modo, os efeitos desejados podem ser prejudicados, caso o paciente desconsidere qualquer uma das orientações médicas. Por isso, é imprescindível realizar a drenagem linfática manual semanalmente, a fim de livrar o corpo das toxinas, respeitar o período de convalescença, e ter moderação quanto aos exercícios físicos.

Ser negligente durante a fase de convalescença poderá afetar o material do implante e, o mais grave, deslocá-lo. Neste caso, os danos podem ser irreversíveis.

Normalmente o paciente que recebe o impante de silicone no bumbum tem um vida normal. Entretanto, para analisar a integridade do implante, é recomendável a realização de um ultrassom em intervalos de dois anos.

Por fim, cabe frisar que existem tipos variados de próteses. Algumas jamais precisão serem trocadas. Enquanto outras podem exigir a substituição após 10 ou 25 anos. O paciente deve ficar atento a esse detalhe e questionar o cirurgião plástico a respeito.