Sarcoma de Kaposi (proliferação anómala dos vasos sanguíneos)

Publicado por Equipe Editorial a 24 de maio de 2011 - Atualizado em 26 fevereiro 2018

O sarcoma de Kaposi é uma das formas de câncer mais frequentes nos doentes com SIDA (síndrome da imunodeficiência adquirida). Caracteriza-se por uma proliferação anómala dos vasos sanguíneos.

Atinge todo o organismo, manifestando-se geralmente em mais do que um local. A pele está quase sempre envolvida, sendo também frequente o envolvimento da boca e do aparelho digestivo, assim como de alguns órgãos como o fígado e os pulmões. No entanto, pode atingir qualquer órgão.

Foi descrito em 1872, sendo uma doença rara até ao aparecimento da SIDA. Há, contudo, uma forma endémica em determinadas áreas do mundo, não associada à SIDA (em países da Europa de Leste, do Mediterrâneo e da África Central). Nos doentes com SIDA, afecta particularmente os homossexuais masculinos.

Causas do sarcoma de Kaposi

Em 1994 identificou-se o vírus responsável pelo sarcoma de Kaposi, o herpesvírus 8 (HHV-8). O sarcoma de Kaposi manifesta-se essencialmente em pessoas infectadas pelo HHV-8 e com deficiência imunitária (diminuição das defesas), como acontece na SIDA (síndrome da imunodeficiência adquirida).

Embora mais raro, manifesta-se também em doentes transplantados, medicados com fármacos imunossupressores. Todas as pessoas com sarcoma de Kaposi têm HHV-8 nas lesões e, por vezes, também em células do sangue.

O vírus transmite-se através do sangue e, provavelmente, por relações sexuais.

Sinais e sintomas iniciais

A pele é geralmente o primeiro local onde o sarcoma se manifesta. As lesões costumam ser indolores e não pruriginosas (não provocando comichão), surgindo como manchas violáceas ou acastanhadas, firmes, por vezes ligeiramente salientes ou nodulares.

Podem aparecer como lesões únicas ou múltiplas, atingindo simultaneamente vários locais do corpo, mas começando habitualmente pelas extremidades inferiores (pés e pernas) para depois se espalharem para outras regiões.

O envolvimento da boca é frequente, associando-se muitas vezes ao atingimento de outras zonas do tubo digestivo, onde pode ser causa de hemorragias mais ou menos aparentes.

Lesões extensas nos membros inferiores são responsáveis por dor e edemas (inchaço) dos pés e pernas. A existência de lesões no pénis, relativamente frequentes, causam dificuldade e dor intensa ao urinar.

O envolvimento pulmonar é muito grave, condicionando elevada mortalidade. Manifesta-se por dificuldade respiratória e, por vezes, emissão de sangue pela boca.Como se percebe, as manifestações dependem do local atingido.

Diagnóstico do sarcoma de Kaposi

O diagnóstico faz-se por biopsia das lesões e subsequente exame anátomo-patológico (microscópico). A pesquisa de anticorpos específicos contra HHV-8 é possível mas não faz o diagnóstico.

Prevenção e Cuidados a ter

Examinar a pele regularmente para pesquisa de novas lesões.

Riscos e Complicações

As complicações dependem dos órgãos envolvidos. Por exemplo:

  1. Se houver envolvimento pulmonar pode causar insuficiência respiratória.
  2. No tubo digestivo pode causar hemorragia, perfuração ou obstrução.
  3. O envolvimento do pénis pode causar retenção urinária.
  4. A invasão da medula óssea pode causar diminuição das células do sangue (pancitopenia). Etc.

Tratamento

Apesar de se tratar de uma doença maligna, este é geralmente tratável, desde que se melhore a imunidade (as defesas) do doente. As formas com envolvimento pulmonar são mais difíceis de controlar, embora não seja impossível.

A escolha do tratamento depende do número e localização das lesões e da imunidade do doente. Para lesões únicas de pequenas dimensões, num doente com boa imunidade, poderá considerar-se apenas o tratamento local, através da radioterapia, da crioterapia (tratamento por aplicação de frio), da injecção intra-lesional de fármacos ou do uso de medicamentos específicos para uso tópico (na pele).

Fotos do sarcoma Kaposi

2 próximas fotos abaixo: sarcoma de Kaposi intraoral:

Fotos abaixo: antes e depois do tratamento com Interferon (Interferona ou Interferão), uma proteína produzida por todos os animais vertebrados e por alguns invertebrados.