Síndrome do choque tóxico

síndrome do choque tóxico é uma doença provocada pela (intoxicação pela bactéria estafilococus). Os venenos produzidos pelos germes (bactérias) são denominados toxinas. Estas incluem-se entre os mais perigosos venenos que se conhecem. Quando entram na corrente sanguínea em maiores quantidades, os efeitos são sempre graves.

A síndrome do choque tóxico é um estado agudo e perigoso provocado pela bactéria estafilococus aureus que produz toxinas que penetram a corrente sanguínea. Felizmente, a situação é muito rara. Nos princípios dos anos 80 ocorreu um surto do síndroma do choque tóxico entre as mulheres jovens menstruadas. Concluiu-se estar associado com os tampões vaginais de elevada absorção e um aumento considerável do número de bactérias estafilococus na vagina. 90% dos casos do síndrome de choque tóxico costumam acontecer nas mulheres menstruadas (Veja menstruação. Os restantes casos aconteceram nas pessoas com graves infecções pela bactéria estafilococus dos ossos ou das válvulas do coração, queimaduras, feridas, abcessos ou broncopneumonia (pode ver uma das infecções do tracto respiratório) ou em sequência de uma operação. Desde que foram conhecidas as causas, a natureza do estado e o tratamento adequado do síndrome do choque tóxico, a taxa de mortalidade foi fortemente reduzida e, actualmente, não é maior do que cerca de 2 a 3%. A proporção de casos em consequência de infecção vaginal agora é muito menor. Menos de metade dos casos reportados estão presentemente associados com a menstruação. Agora todos temos conhecimento que os tampões de elevada absorção deveriam ser evitados e que se deveriam mudar os tampões com frequência.

Causas do síndrome do choque tóxico:

A toxina do estafilococcus causa lesões generalizadas por todo o organismo. Entre outros efeitos, provoca o relaxamento dos músculos involuntários nas paredes das artérias e, por esse motivo, os vasos sanguíneos dilatam. Os pequenos vasos sanguíneos também se tornam menos estanques e perde-se líquidos para o tecido intersticial. Como consequência, a capacidade do sistema circulatório aumenta, mas o volume de sangue diminui. Os vasos sanguíneos podem não ter capacidade de ser completamente irrigados e o coração pode ser incapaz de manter a circulação do sangue. A isto corresponde o choque cirúrgico. A situação pode rapidamente conduzir à morte a menos que a quantidade de sangue a circular seja assegurada ministrando-se soro fisiológico. A infecção grave pela bactéria estafilococus provocada pelos tampões é uma das causas do sindroma. Por esta razão, os fabricantes foram induzidos a não produzir tampões com uma absorção muito elevada e, actualmente, dá-se uma maior ênfase aos pensos higiénicos.

Sinais e sintomas do síndrome do choque tóxico:

Há febre com 40º C ou superior, uma forte descida da tensão arterial, pulsação acelerada mas muito fraca, erupção de manchas vermelhas na pele com descamação, tonturas, vómitos e diarreia, dores musculares, inflamação da vagina, lesão do fígado e por vezes perturbação e confusão. Compare com dores ovulatórias e outros problemas da menstruação.

Diagnóstico:

Este baseia-se no estado clínico do paciente, especialmente à descida da tensão arterial.

Tratamento do síndrome do choque tóxico

Dado que o problema é causado pelas toxinas que já foram libertadas por estes microorganismos, a eliminação das bactérias esfafilococus com antibióticos tem um efeito reduzido no decurso da doença. Contudo, reduz a probabilidade de incidência, pelo que este tratamento é sempre ministrado. Porém, a necessidade mais imediata é repor o volume total de sangue através da infusão de líquidos. Isto permite salvar a vida do paciente.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 4:06 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)