Suco de tomate para ressaca

A ressaca é uma daquelas coisas que ninguém quer ter, mas que poucos se preocupam na hora de beber.

Mas a ressaca é somente uma “depressão” do nosso organismo devido à abstinência de álcool.

O cérebro, quando o álcool lhe chega relaxa, o que nos causa a sensação de estarmos alcoolizados.

No entanto, como estamos a ingerir álcool em demasia, o nosso corpo está a esforçar-se para se livrar dos excessos, em especial o fígado.

Quando terminamos de beber o fígado nota e fica “deprimido”… o que origina a ressaca.

Rico em sódio, potássio e licopeno, o tomate embora não comprovado cientificamente parece diminuir alguns sintomas da ressaca, portanto o sumo de tomate torna-se um bom antídoto. Vamos prepará-lo consigo.

Vá à despensa e traga 4 tomates, salsa (2 colheres de sopa), erva-doce (1 colher de sopa), açúcar (1 colher de chá) e sal. Coloque tudo no liquidificador e triture bem.

Assim que termine, se reparar que o sumo de tomate ficou muito grosso, adicione-lhe água gelada.

Pegue num copo e alguns cubos de gelo. Coloque-os no copo e, de seguida, ao sumo de tomate já com a água gelada.

Este remédio deve ser ingerido pela pessoa com ressaca em jejum, maximizando os resultados potenciais do sumo.

Este é um dos tratamentos com melhores resultados para a maior parte das pessoas, no entanto cada organismo funciona de maneira diferente.

Observação: Há quem adicione ao sumo de tomate um pouco de sumo de limão, que dizem funcionar melhor ainda.

A juntar a tudo isto, beba líquidos em abundância e alimente o seu corpo com muita fruta e hortaliças.

Mas não peça demasiado ao seu corpo, se possível, faça-lhe as vontades durante este período para que passe rapidamente e sem danos.

Evite beber em demasia e vá comendo antes e à medida que bebe para que o seu corpo suporte melhor o álcool.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 5:26 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)