Tetralogia de Fallot (cardiopatia congênita)

Sete a dez em cada 1000 bebês nascem com cardiopatia congênita. Isto torna as malformações cardíacas como as mais comuns nos recém nascidos. Alguns destes bebês apresentam uma patologia cardíaca chamada Tetralogia de Fallot, também apelidada só de Fallot.

Os bebês com Tetralogia de Fallot são bebês cianóticos, devido ao tom azulado da sua pele. Isso resulta do facto de terem sangue dessaturado (com pouco oxigénio) na circulação sistémica. Existem quatro problemas associados ao coração com Tetralogia de Fallot (tetra quer dizer quatro):

A comunicação interventricular. É um buraco na parede, chamado septo interventricular, que divide as câmaras inferiores do coração, o ventrículo direito e o ventrículo esquerdo.

O cavalgamento da aorta. A aorta é a artéria que se encarrega da distribuição do sangue oxigenado pelo corpo. Nos corações normais, sai do ventrículo esquerdo. No caso da Tetralogia de Fallot, a aorta não está no devido lugar e sai por cima da comunicação interventricular, recebendo sangue dos dois ventrículos. Diz-se que a aorta cavalga o septo interventricular.

A estenose pulmonar. A artéria pulmonar sai do Ventrículo direito e leva o sangue desoxigenado para os pulmões. Entre o Ventrículo esquerdo e artéria pulmonar existe a válvula pulmonar. O aperto pulmonar (estenose) pode verificar-se a vários níveis, subvalvular (ou infundibular), valvular e supravalvular. Muitas vezes, existe uma associação dos três. Esta estenose dificulta a passagem de sangue para os pulmões.

A hipertrofia ventricular direita. Como o Ventrículo direito é um músculo que bombeia o sangue, quando tem que fazer mais esforço, desenvolve-se mais e fica hipertrofiado. É o que acontece na Tetralogia de Fallot.

Causas da Tetralogia de Fallot

Desconhece-se a causa subjacente a uma Tetralogia de Fallot. De um modo geral, se há uma história familiar com pessoas que tenham nascido com malformações cardíacas, a probabilidade de ter um filho com malformações cardíacas é maior. Mesmo assim, o risco é muito pequeno. Não é uma doença hereditária, isto é, não é passada do pai ou da mãe para o bebé.

É uma doença congénita, o que quer dizer que se nasce com ela. O coração do bebé é formado até à oitava semana de gestação e muitas coisas sobre a sua formação são ainda desconhecidas.

Sinais e sintomas da Tetralogia de Fallot

Na maioria das crianças com Tetralogia de Fallot o diagnóstico é realizado logo após o nascimento, porque o bebé apresenta um sopro. Este corresponde à passagem do sangue pela estenose pulmonar. Nesta altura podem ainda não apresentar uma cor roxa/azulada da pele (cianose).

Mas com o passar do tempo, ficam cada vez mais roxos (cianóticos) porque, como a estenose pulmonar tem tendência a aumentar, cada vez mais sangue desoxigenado passa do Ventrículo direito para a aorta em vez de ir para os pulmões através da artéria pulmonar.

Nos casos mais graves, o bebé pode ficar subitamente mais cianótico, com poucas forças e parece que desmaia. Estes episódios chamam-se crises cianóticas e podem surgir após uma birra do bebé. Nas crianças mais velhas, que já sabem andar, estes episódios podem surgir com o esforço. Contudo, estas crianças muitas vezes defendem-se adquirindo uma posição de descanso em cócoras (squating).

Em doentes muito azuis mais velhos, as pontas dos dedos podem alargar-se parecendo que ficam com dedos em baqueta de tambor. Um crescimento lento, intolerância para esforços e problemas respiratórios podem ser outros sintomas acompanhantes.

Diagnóstico da Tetralogia de Fallot

Na população portuguesa, o rastreio das doenças cardíacas congénitas cobre praticamente toda a população em idade pediátrica.

Se na altura do nascimento não foi auscultado nenhum sopro ou observada qualquer cianose, nas primeiras consultas do bebé o médico, ao auscultar o sopro ou ver a cianose vai pedir uma consulta de Cardiologia Pediátrica.

O Cardiologista Pediátrico, se suspeitar da existência de Tetralogia de Fallot, poderá pedir que o seu bebé faça os seguintes exames:

Radiografia torácica: as radiografias do tórax são fotografias feitas ao peito com raios X. Podem mostrar uma artéria pulmonar pequena e o ventrículo direito grande, apresentando uma imagem característica de coração em bota. Também podem mostrar uma diminuição do sangue nos pulmões (oligoémia pulmonar).

Electrocardiograma: Um ECG pode mostrar se há problemas eléctricos associados ao facto do ventrículo direito se estar a tornar maior. Alguns eléctrodos são colocados no peito, nos braços e nas pernas do seu bebé. Cada eléctrodo possui um cabo ligado a uma máquina.

Esta máquina imprime, num papel, um traçado relativo ao funcionamento eléctrico do coração do seu bebé. Este exame é indolor e dura cerca de cinco a dez minutos. O bebé deve estar o mais sossegado possível. Na Tetralogia de Fallot, o Ecocardiograma apresenta critérios de hipertrofia ventricular direita.

Ecocardiograma: Um ecocardiograma é geralmente designado de “eco”. Através dos ecos de ondas sonoras obtêm-se imagens do tamanho, da estrutura e do funcionamento do coração do seu bebé num ecrã semelhante ao de um televisor. Um ecocardiograma com Doppler pode analisar as velocidades do fluxo de sangue no coração e nos vasos que saem dele.

O ecocardiograma é provavelmente o exame que permitirá visualizar de forma mais simples o tipo de defeitos existentes no coração, na artéria pulmonar e na aorta. Permite ver o coração do seu bebé a bombear o sangue e possibilita a observação e o cálculo da estenose pulmonar. É um exame indolor, feito com o bebé deitado e o mais sossegado possível. Tal como para realizar o Ecocardiograma, pode levar a chupeta e algum brinquedo preferido do seu bebé.

Cateterização cardíaca: Este exame é habitualmente realizado com o fim de se obter uma informação mais completa antes de se realizar a cirurgia correctiva. Requer uma sala especial com raios X e a sedação do bebé ou da criança para que fique a dormir.

Durante este exame, tubos especiais muito finos são introduzidos até ao coração do seu bebé através de picadas nos vasos sanguíneos da perna junto à virilha. Durante o cateterismo fazem-se registos das pressões nas diferentes cavidades cardíacas, na pulmonar e na aorta. São retiradas amostras de sangue em locais específicos para estudo das saturações, que se relacionam com a quantidade de oxigénio que o sangue transporta.

Durante o exame é injectado contraste, uma substância com produto opaco aos raios X, para se visualizarem melhor as cavidades cardíacas, a aorta, a pulmonar e as artérias coronárias que irrigam o músculo cardíaco. Com esta informação, a informação clínica e os resultados dos outros exames, os médicos estarão aptos a propor o melhor tratamento para o seu bebé. Por vezes, a informação obtida pelos outros exames pode dispensar a realização do cateterismo.

Cuidados a ter

Logo após o diagnóstico da Tetralogia de Fallot, o seu filho passará a ser seguido pela equipa que os pais tenham escolhido. Estas equipas poderão seguir o seu filho durante toda a vida. Deve cumprir as orientações dadas pelo médico do seu filho.

Riscos e Complicações

As grandes complicações são todas aquelas consequentes aos riscos que se correm numa grande cirurgia. Felizmente, estas complicações são raras. O mais provável é que o seu bebé depois da correcção venha a ser um homem ou uma mulher que leva uma vida normal, podendo-se casar e vir a dar-lhe netos.

Provavelmente nunca poderão ser atletas de competição e necessitam de ter alguns cuidados especiais. Correm o risco de ter infecções cardíacas (endocardite bacteriana) pelo que devem tomar antibióticos antes de alguns procedimentos de risco. Também têm mais riscos de poder ter alterações no ritmo cardíaco que possam necessitar de tratamento, pelo que devem ser seguidos por um médico habituado a seguir doentes com cardiopatias congénitas.

Tratamento para Tetralogia de Fallot

O seu filho necessitará obrigatoriamente de ser operado. Se o aperto pulmonar for muito grave e chegar pouco sangue aos pulmões, o bebé poderá necessitar de colocar um tubinho para ligar uma das artérias que sai da aorta à artéria pulmonar. Desta forma, mais sangue passará pelos pulmões e o bebé já não ficará tão roxo e doente.

A este tubo chama-se shunt de Blalok-Taussig modificado e a sua introdução é realizada quando o bebé está mal mas ainda é muito pequenino para que se possa fazer a correcção total. Se for um recém-nascido, pode ser que enquanto aguarda a colocação de um shunt faça um medicamento na veia para manter o canal arterial aberto. O canal arterial é um vaso que liga a aorta à pulmonar e que fecha após o nascimento.

Se o aperto pulmonar não for tão grave, os médicos tentarão que o seu filho cresça e tenha um peso adequado para que se possa fazer a correcção total só com uma operação. È possível que nesse período, e para evitar crises de cianose, o seu filho tome medicamentos que ajudam a aliviar a estenose pulmonar. Por vezes, mesmo medicados, os bebés podem ter crises de cianose.

Nestes casos, não se pode esperar mais e se o bebé ainda não tiver um peso adequado para a correcção total terá que colocar um shunt. Antes da correcção total é provável que seja feito um cateterismo para caracterizar melhor alguns tipos de alterações presentes na Tetralogia de Fallot.

A cirurgia para a correcção total implica a circulação do sangue por uma máquina que faz de coração e de pulmões (circulação extra corporal CEC). Com a ajuda da CEC e o coração parado, o cirurgião encerra a comunicação interventricular com um bocadinho de tecido cozido ao septo interventricular e alarga a zona do aperto pulmonar. Se houver um shunt, este é encerrado logo após o início de funcionamento da CEC.

No fim da cirurgia, o coração recomeça a bater e sai-se da circulação extra corporal CEC). A criança vai depois para uma unidade de cuidados intensivos (UCI) até ficar bem para voltar à enfermaria. Quer antes quer depois da cirurgia, o seu filho poderá necessitar de antibióticos antes de ir ao dentista a fim de evitar uma infecção cardíaca.

Foto abaixo: Diagrama de um coração saudável e de um coração com tetralogia de Fallot.

tetralogia de fallot

 

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Esta matéria tem 46 Comentários
  1. Roseane Reply

    Gostaria de tirar uma duvida meu filho foi diagnosticado com 2 dias de vida, fez a cirurgia com 5 meses, durante as consultas e exames de acompanhamento com 2 anos a medica me fiz que provavelmente tera que fazer uma nova cirurgia para torcar a proteze que foi colocada na veia, a qual eu desconhecia ate entao, isso é necessario? alguem passou por isso, estou aflita e muito nervosa nao consigo pensar em outra coisa ME AJUDEM POR FAVOR.

  2. Ana moreia Reply

    Qual o peso indicado para fazer correção de tetralogia de fallot?

  3. Vera oliveira Reply

    Olá eu fui opererada a tetralogia de fallon e tenho 2 filhos lindos e tenho 1 vida normal,tenho de tomar a medicação para a tetralogia de fallon mas de resto tenho 1 vida super normal

  4. Renata Reply

    Meu filhinho nasceu com essa doença
    Tretalogia do fallot infelizmente não resistiu veio a óbito com 11 mese por
    Espera da cirurgia que nunca chamam
    Minha vida acabou

  5. Rafaela Reply

    Descobri que meu filho tem esta doença agora c 26 semanas de gestação. Marquei um cardiologista para o dia 28 só. Alguém sabe me dizer se tenho q tomar algum cuidado c Uq vou comer ou beber por causa dele ??

  6. Joana Reply

    Olá, eu gostaria de saber se quem tem tetralogia de fallot pode engravidar. Obrigado

  7. Neydiane santos silva Reply

    Meu bebê tem tetralogia de fallot e faz acompanhamento com a cardiologista mensalmente. A saturação dele está 96 e nunca deu ficou roxinho eu queria saber a opinião de vcs? E quero saber se já houve caso de cura da tetralogia de fallot?

    • Bruna Reply

      Que benção !!
      E que tem casos mais graves, cada criança reage de uma forma, mas isso é um ótimo sinal, minha filha também sátura bem

  8. IGOR SANTANA MUNIZ Reply

    Criança de 6 meses de idade, levada para o hospital por cansaço durante o período de amamentação com piora do estado após a mamada. A criança foi internada com muita dificuldade de sucção e dispnéia, sendo avaliada por um cardiologista.

    O exame físico revelou : dispneica, taquepnéica, distrófica, normoviril, hipocorada +/4+, anictérica, hidratada e acinótica.

    Aparelho cardiovascular: ritmo cardíaco regular em 2 tempos, bulhas normofonéticas: sopro sistólico 3+/6+ em rebordo esternal esquerdo baixo, irradiando para região axilar esquerda.

    Frequência cardíaca: 140 bpm, PA: 80x40mmHg.

    Aparelho respiração: murmúrio vesicular graves.

    Abdome: indolor ao toque, fígado: palpável a 5 cm de rebordo costal direito.

    Membros superiores e inferiores: sem edema, alongados, principalmente os dedos, apresentando flacidez e hiperflexibilidade.

    Exames complementares demostram: radiografia de tórax: cardiomegalia. Eletrocardiograma: ritmo sinusal, FC de 150 bpm, sobrecarga atrial direita, onda S amplas em V3- V4 sugestões de sobrecarga biventricular.

    Paciente apresentava displasia mitral e tricúspide com prolapso de seus folhetos, com regurgitação grave das valvas.

    Qual o diagnóstico dessa criança ?

  9. andre barbosa Reply

    meu filho foi diagnósticado com tof.com dois dias de vida. vai ter que fazer cirurgia. só peço a vcs que orem.pelo Paulo André.

  10. gilciléa Reply

    EM 02 DE JULHO DE 2006, MEU FILHO NASCEU, VI QUE ESTAVA MUITO ROXO E ACHEI MUITO ESTRANHO, ELE NÃO CONSEGUIA CHORAR ACREDITO QUE TÃO POUCO RESPIRAR.ESCONDERAM DE MIM A GRAVIDADE DA DOENÇA E TAMBÉM ONDE ELE NASCEU NÃO TINHA UTI NEO NATAL E TAMBÉM NÃO FOI DIAGNOSTICADO NOS MEUS ULTRASSONS. ELE TINHA TAMBÉM UM RIM ATROFIADO E A VIDA DELE FOI REALMENTE CURTA. ELE VIVEU APENAS 4H E MEIA. DEPOIS DE 12H QUE FIZ A CIRURGIA QUE ME CONTARAM QUE ELE NÃO TINHA SOBREVIVIDO POIS TINHA VÁRIA COMPLICAÇÕES ENTRE ELAS A TOF E O PROBLEMA DO RIM. FOI COMPLICADO NA ÉPOCA E ENTENDI QUE DEUS ESTAVA NO COMANDO. AGRADEÇO A DEUS.E POR HOJE TER MAIS RECURSOS QUE TINHAM NA ÉPOCA QUE TIVE MEU FILHO.

  11. Ana Cristina Reply

    Olá! Meu sobrinho foi diagnosticado no 6º mês de gestação com a tetralogia de fallot, na verdade este é um dos primeiros sites que estou lendo sobre o assunto, acabamos de receber a notícia, além disso os médicos suspeitam de uma alteração no cromossomo, estamos aguardando os resultados. Tudo muito novo para nós e ler as mensagens de vocês me deu muita esperança e fé que pode dar tudo certo!

  12. aline Reply

    tenho um filho c 4 aninhos´ano pssado tmbem operou de tof´se recuprou to bem graças adeus´ta lindo e forte.emsua cirurgia tiveram k retirar a valvula pulmonar por ser infundibilo tava muito estreitaé colocaram a biologica´mas esa valvula esta entupindo d novo devido a mto calcio k as crianças temó cardiologista dele acha melhor retirar e deixar sem ate k ele possa clocar uma de adulto e definitiva´keria saber se algum ja pssou prisso ou cnhece alguem?

  13. Andressa Reply

    Meu nome e Andressa minha filha foi diagnosticada com a tretalogia de fallot assim que nasceu fiquei desesperada porq os medicos disseram que ela tinha que fazer uma cirurgia que o problema dela era muito grave como ela nao nasceu no Brasil arrumei um geito e vim embora com ela mais chegando aqui levei ela no HC e a fila era grande na espera quando foi em outubro 2013 ela com 1 ano foi chamada mais nunca esperava que demorasse la no hospital ela fez o cateterismo e sofreu um AVC e ficou com um coagulo na cabeca em janeiro 2014 voltamos pra casa, esperando sarar esse coagulo em junho de 2014 chamaram ela novamente pra cirurgia mais uma demora ela pegou infeccao e ficou muito doente sofremos muito no hospital 1 de Agosto ela fez a cirurgia quando foi dia 12 ela entrou em Obito com 1 ano e 10 meses minha dor e muito grande quero compartilhar com as maes que perderam seu filho com o mesmo problema meu face (Andressa Himesh Andrynne)

  14. jessika Reply

    Meu filho tbm tem tetralogia d fallot ele tem um ano e5 mes vai fazer a correcao essa semana estou com muito medooo ele e meu primeiro filhooo mais td vai da certo com fe en deus deixo td na mao de deus gostaria d converssa com pessoas q ja passaram por isso
    me procure no fecebok jessika lima

  15. ana paula Reply

    Oi minha filha tem 4 meses e foi diagnosticada com tetralogia da fallot, estou em sp aguardando cirurgia. Me procurem no facebook. Ana paula ricarte.

  16. lyvia luzier Reply

    Boa tarde,tenho um bebe de 6 meses que foi diagnosticado com T4F apos 24h de nascido,meu mundo caiu já que eu desejava muito esse filho,lembro que no dia eu culpei meu esposo,dizendo que ele nao tinha me dado paz na gravidez pois fiquei muito estressada na gestação e achava que tudo era culpa dele.Enfim me senti sozinha,chorei muito,queria morrer,mas pensei bem e cheguei a algumas conclusões,nada é por mero acaso,durante anos usei e abusei do corpo saudável que o nosso Criador me deu,e graças a ELE meu bebe tem uma T4F branda,nao tem atresia pulmonar,não toma medicação,é normal,muito chorao,nunca ficou cianótico,e tem acompanhamento clínico no INC RJ.A cirurgia dele está prevista para após os 12 meses,ás vezes tenho muito medo de perde-lo então pego ele no colo abraço ele e vivo um dia de cada vez,como se fosse o último.

  17. Ronicleia Rodrigues Reply

    Bom dia! Minha filha também foi diagnosticada com tetralogia de Fallot ainda na gravidez e ao cinco meses de vida foi submetida a cirurgia e após 10 dias na uti ela veio a óbito…..é muito triste…….. Quanta dor

  18. Jania Reply

    Minha filha foi diagnosticada com tetralogia de fallot com um mes, com dois meses fez a cirurgia paleativa e aguarda a corretiva hoje com oito meses toma remedios e esta bem graças a Deus

  19. Jussara michela da silva Reply

    Eu nasci com problema cardíacos congênito mas que só foi descobreto aos 10 anos de idade passei por correção de CEA e CEV como foi tardia a correção tive que colocar marcapasso definitivo, hoje tenho 42 anos e tive 2 filhos e sempre faço troca de marcapasso e vivo uma vida normal, porem meu filho caçula nasceu com tetralogia de fallot, fez a correção com 1 ano e 10 meses, hoje ele está com 15 anos e leva uma vida normal pratica esportes e tudo mais, e um garoto saudavel porem ele tem insuficiência pulmonar que é umas das sequelas que pode ocorrer a longo prazo ele esta fazendo os exames pra ver se vai ser preciso colocar válvula pulmonar, é mto difícil imaginar passar por isso de novo porém DEUS nunca me abandonou e sei que ele esta comigo de novo e vai dar tudo certo, fiquem em paz porque eu passei por isso a 15 aos atrás e a medicina evoluiu mto então os médicos estão cada vez mais capacitados e a tecnologia trabalha a nosso favor por isso acreditem que vai dar tudo certo confiem em Deus ele vai ajudar vcs como me ajuda até hoje, fica com Deus.

  20. edinaldo alves Reply

    ola , estou muito triste e preocupado pois recente
    meu filho Sebastian Gabriel de 1,6 meses foi diagnosticado com tof e tera que se submeter a uma cirurgia eu e minha esposa estamos com muito medo pois e meu primeiro filho e ele e tudo em minha vida estou escrevendo este depoimento em prantos pois nao consigo imaginar viver sem meu filho lindo ele e o motivo pelo que acordo , respiro ,ele e o motivo de continuar vivo tudo que sou e por ele espero e coloco nas maos de nosso senhor e peso que ele ilumine e cure meu filho e que ele venha ser um homem forte e posa um dia agradescer a deus ele mesmo e me de muitos netos obrigado a todos

  21. vanessa florença arantes Reply

    meu nome e vanessa estou em sao paulo a 1mes e 25 dias esperando sair uma vaga para meu filho…estou aflita pois sou mae de primeira viagem e aguardo ansiosa e aflita….

  22. celia dayane Reply

    meu nome é dayane tenho cinco filhos sendo dois gemeos é um casal menina e menino o menino vitor hugo tem tetralogia de fallot descobrirão com quatro dias de vida ate entao tenho passado pelo cardiologista mas essa quarta feira passou por uma crise ao seis meses de idade foi dessesperador ver meu filho assim mas deus ta no controle de tudo cuidando dele tenho muita fe meu filho vai sair dessa a minha vitoria ta chegando eu creio obrigada pela atenção

  23. jacqueline lopes Reply

    Bom dia!!! meu nome é jacqueline e sou mãe de uma linda menina que hoje ja tem 17 ano e cinco meses e é uma corrigida da falot e hj tem uma vida maravilhosa. e passo a vcs que estão esperando por uma cirurgia. acredite vai dar tudo certo,pois ela fes uma com 2 anos e sete meses e a outra com 8 anos. e hj graças a deus estar bem

  24. Rafaela Ap. da Silva Reply

    Oi gente, se serve de conforto eu sou uma sobrevivente de ToF,tenho 16 anos e já passei por alguns acompanhamentos médicos mais sérios, operei uma das artérias danificadas com 2 anos e 7 meses e, espero deis de então outra intervenção sirurgica, tirando a frequência de visitas ao hospital , que alias diminuiu bastante ao longo do tempo, e de não poder fazer exercícios físicos a minha vida é normal, isso e porque alem do ToF que influencia muito no quesito pulmonar eu ainda possuo insuficiência pulmonar importante só tendo 60% de um pulmão e 30% do outro, não desejo a doença para ninguém mais desde criança ela me influenciou para cursar cardiologia e ate hoje não surgiu outra profissão que possa me satisfazer, e o surpreendido de tudo é que sempre passei em rede publica,e não tenho do que reclamar, ate hoje só me esbarrei com profissionais competentes já tentei mudar pro particular a algum tempo mais realmente é difícil quando não conhecem o seu caso então quando escolher um tenha certeza que é adequado que por experiencia própria eu digo que o vera sempre e é bom ter consulta com um medico que você conhece deis de quando nasceu ja sendo uma pessoa intima que fez, faz, e sempre vai fazer parte de sua vida.

  25. thiago junior Reply

    Bem bom dia to aqui chorando vendo mts comentarios to no hospital a dois meses sem sai do lado do meu filho ele tem tetralogia de fallot e poxa meu primeiro filho to cm mtmt medo de perdelo fiquei mt mas calma agr as 5 e 16 da manha q to na internet e vi qui em mts casos deu certos meu filho e lindo c chama rhyan guilherme orem por ele gente

  26. kelli Reply

    Tudo bem!apos ultrasson no 5 mes foi detectado q somente uma das minhas veias orta estao bombiando sangue para o feto,porque sera que esta ocorrendo tal problema alguem saberia.obrigado

  27. Celene Reply

    Tenho uma bb de 4 meses q tem tetralogia de fallot. Fiquei triste c os casos q, infelizmente, os anjinhos de vcs partiram, mas tb fiquei c meu coração mais confortado de saber q tem bastantes casos q deram certo. Minha filha está sendo encaminhada p cirurgia agora, estou c muito medo da cirurgia, mas c o relato de vcs, q passaram pela cirurgia e estão bem, começo a acreditar q minha pequena tem chance de ter uma vida normal. Tenho interesse em conhecer melhor pessoas c tetralogia ou seus familiares. Meu facebook é Celene Santos, é só me mandarem solicitação de amizade e deixem uma mensagem p mim falando q trata-se do grupo da tetralogia q add vcs. Bjs a [email protected]

  28. maciel Reply

    oi meu nome é maciel,minha querida filha se chama macielly. minha filha também foi escolhida pela tetralogia de fallot,ela nasceu no dia 01/03/2013.de lá pra cá venho tentando fazer a cirurgia, já se passarão 10 meses e a té agora os médicos não min-dão uma resposta concreta de quando será exatamente a cirurgia.

  29. maciel Reply

    é uma pena que essas crianças nação a sim

  30. silvane Reply

    oi eu qro dizer q eu tnho 43 anos e tnho a tetralogia de fallol, nunca fiz nenhuma cirugia, a fiz 3 cateterismo, faço sangria de 21em 21 dias minha sturação e de70 e sou bem sianotica,faço uso de oxigenio direto pois sinto mta falta de ar mais mesmo assim tnho vivido com tdo isso ate agora ,pois sei q isso e milagre de Deus,tomo mtos remedio por dia e faço acompanhamendo no hospital das crinicas aqui em curitiba q e onde moro. qem quizer falar cmigo meu face silvanepedroso,meu celular e 04196313841, bjos a tdos.silvane…

  31. PATRICIA ALVAREZ Reply

    MINHA FILHA MARIA LUIZA NASCEU NO DIA 18/10/2013 COM 34 SEMANA POIS TIVE PROBLEMAS DE PRESSÃO ALTA, EM UM EXAME EM SEU CORAÇÃO FOI DETECTADO A TETRALOGIA DE FALLOT, ASSIM QUE NASCEU FOI DIRETO PARA UTI ELE TEVE O MELHOR ACOMPANHAMENTO NO HOSPITAL SANTO ANTONIO EM PORTO ALEGRE. AGRADEÇO A TODA EQUIPE MEDICA INCLUSIVE DRª NEILA E DR. MARCELO, MAS MINHA PRINCESA NÃO RESISTIU E FALECEU ANTES DE FAZER A CIRURGIA COM 03 DIAS DE VIDA. TEMOS MEDICOS DEDICADOS QUE ACOLHERAM MINHA FILHA E NOSSA FAMILIA E FOI TUDO PELO SUS, NÃO PAGUEI UM CENTAVO. MINHA CESARIA FOI NO HOSPITAL SANTA CLARA TAMBEM EM PORTO ALEGRE, E TIVE UM ACOMPANHAMENTO MARAVILHOSO COM A DRª ELISA E SUA EQUIPE. OBRIGADO DEUS POR TUDO

  32. KELLY GOIS Reply

    OLA, MEU NOME É KELLY TIVE SEIS FILHOS E O TERCEIRO FOI ESCOLHIDO PELA TETRALOGIA DE FALLOT ELE PASSOU POR VARIAS INTERNAÇÕES ATÉ ENCONTRAR O HCOR HOSPITAL DO CORAÇÃO E FOI AI QUE ELE COMEÇOU A VIVER DE VERDADE,FOI OPERADO COM QUATRO MESES DE VIDA E HOJE SIMPLESMENTE ELE SE DESTACA EM UM TIME DE FUTBOL SENDO O ARTILHEIRO JA COMEÇOU A COLECIONAR SUAS MEDALHAS RSRS
    JA SE PASSARAM 9 ANOS ESTOU MUITO FELIZ E ESPERO QUE TODOS QUE ESTÃO PASSANDO POR ISSO HOJE TENHA UMA HISTORIA COMO A MINHA ,AGRADEÇO A DEUS EM PRIMEIRO LUGAR E EM SEGUNDO AO HOSPITAL HCOR. E O SENHOR ADIB JATENE E FAMILIA O MEU MUITO OBRIGADA

  33. Alvaro Reply

    Ola Elisandra, eu estava pesquisando algo sobre ToF (meu filho nasceu com Teralogia) e, por acaso, encontrei o depoimento de uma pessoa que teve tetralogia e foi mãe. Espero que seja útil. Link:

    Meu filho hoje com 15 anos também nasceu com essa cardiopatia. Fez correção cirurgica total antes de um ano de vida (em Curitiba-PR, Brasil) e tem vida normal, guardados os previstos cuidados para o caso. Pratica Educação Física normalmente, evitando exageros. Antes de tratamentos dentários, faz uso de antibióticos. Anualmente faz acompanhamento com Cardiologista.

    Mais Informações sobre Tetralogia de Fallot.
    Link para Artigo Científico sobre Tetralogia de fallot (versão 2002):

  34. Fabiano Lopes Rocha Reply

    Olá, sou cardiopata com tetralogia de fallot completa diagnosticada logo no nascimento, fiz uma unica cirurgia com 18meses de vida. Hoje tenho uma vida normal estou com 36 anos. faço um acompanhamento anual somente.

    Abraços

  35. Priscila Reply

    Oi!Fui diagnosticada com tetralogia de fallot quando Bebe, fiz 3 cirurgias corretivas,uma no coração e 2 no pulmão,hj aos 23 anos faço acompanhamento anual,e graças a Deus tem tudo dado certo para mim.E para os pais que estão passando por isso hj tenham fé,acreditem que ficará tudo bem com os filhos de vcs!

  36. erly j faria Reply

    MEU FILHO NASCEU COM ESTE PROBLEMA DE TETRALOGIA DE FALLOT DIA 23/04/2013,GOSTARIA DE SABER SE ESSA CIRUGIA FAZ PELO SUS,GOSTARIA DE OBTER MUITAS IMFORMAÇÃO

  37. aline silverioo faustino silva Reply

    ola? me chamo aline tenho 24anos,tenho um filho se chama victor tadeu ,nascido de cesariana muito complicada,pois ele teve duas circular no pescoço,meu parto foi muito demorado e cansativo.victor nasceu roxo e sem respirar,levaram ele direto para o oxigenio,no dia seguinte k fui visitar meu filho no berçario ao mesmo tempo k estava feliz eu estava angustiada o pediatra me deu a noticia de que meu filho nao tinha o polegar da maozinha esquerda e que ele teria que ser transferido para a uti pois ele nao cnseguia fazer xixi,levaram victor para um hospital em uma outra cidade ele ficou na uti por 8 dias 4 dias de oxigenio,durante esse tempo ue ele ficou la eu estava na minha cidade angustiada sem poder ve-lo.depois que ele foi para o berçario que pude ir ficar c ele ,qndo cheguei la e vi meu filho deitadinho naquele bercinho nao aguentava mas de vontade de abraçar,beijar acariciar cheira-lo.logo depois a sua pediatra me liga no berçario e me da a noticia de que meu filho tinha somnte um rim entao ja entrei em desespero,logo descubro que ele tiha tbm um problema no coraçao e ficams 25 dias naquele hospital so esperndo pra que ele pudesse fazer o ecocardiograma pra poderms vir embora.qndo levams ele para fazer o exame tivems o diagnostico de que rea tetralogia de fallot,eu e meu marido ficams arrasados.fizems acompanhamntos com cardiologistase nos deram a noticia de que ele realmnte tem que pssar por essa cirurgia.hoje victor tem 2 anos e 7meses nunca teve nenhuma crise eagora ele ta sendo encaminhado para a cirugia de sao paulo Beneficiencia portuguesa,sofro muito c isso pois tenho muito medo dele algum dia passar mal,mas tenho muita fe em deus que tdo vai dar certo sei que ele nao da um fardo assim pra quem nao possa carregar ,coloquei tudo nas maos do meu deus e sei que ele vai nos dar a vitoria estou muito confiante que essa cirurgia de correçao vai dar tdo certo

  38. IVANIR Reply

    MEU FILHO NASCEU COM ESTE PROBLEMA ELE TEM UM ANO DE IDADE , JA FEZ CORECAO TOTAL I ESTA BEM

  39. Elisandra Oliveira Reply

    Ola…tenho a cardiopatia e ja operei-me por 2 vezes graças a Deus hoje com 30 anos faço acompanhamento anualmente e uma bateria de exames,tenho ainda uma leve estenose supra,e tenho que usar medicamentos se for fgazer procedimentos que tenham risco de infecção, mas agora estou vivendo uma duvida enorme…Quero engravidar e morro de medo dos risco tanto para mim quanto para a criança…me ajudem

  40. Elaine Reply

    Gilmar,
    Eu sinto muito pelo que aconteceu com seu filho… É inaceitavel que nos dias de hoje ainda isto acontece.
    Tenho um filho de 6 anos que nasceu com ToF. Apesar da gravidade do quadro ele fez a cirurgia definitiva c/ 6 meses e estamos acompanhando o caso c/ uma especialista.

    Em breve ele deve fazer uma nova intervenção para correção da valvula cardiaca. Temos fé que tudo ha de correr bem.

    Pf, tenho muito interesse em conversar com pessoas que passaram pelo mesmo problema e saber mais detalhes a respeito. É muito dificil ainda encontrar detalhes a respeito de Tof…

    Muito obrigada

  41. Sérgio Reply

    Boa noite, após ler alguns comentários consegui perceber que a sorte não está para o mesmo lado, é com tristeza que estou a ler as causas da falta de atendimento.
    O que eu quero realmente dizer aqui, é principalmente dirigido aos pais que tem os seus filhos a passar por este problema.
    Hoje tenho 22 anos, e também tive de superar enumeras cirurgias derivadas a esta doença, felizmente tudo correu bem, excepto algo que me provocou um desvio na coluna e deu inicio a uma esclerose onde aos 16 anos também tive de ser intervencionado. O que quero focar mais, é que é preciso ter muita força, e nunca desistir das crianças que passam pelo mesmo, porque apesar das limitações que possamos ter no futuro e um acompanhamento adequando, que se alastrara até ao fim da vida, eu posso garantir que assim que tudo seja estável a criança cresce e pode levar uma vida normal, eu mesmo faço tudo e mais alguma coisa, as vezes até mais do que é aconselhado, mas o importante está na vontade e na capacidade e sempre com atenção aos limites. Coragem para quem passou ou está a passar por algo semelhante no momento. comp.

  42. Alexandra Dias Reply

    Ao ler as suas poucas palavras senti revolta. Inacreditável nos dias de hoje o que aconteceu ao seu filho.
    Tenho uma menina com o mesmo problema, tetralogia de fallot, diagnosticado com 22 semanas de gestação. Fui acompanhada pelos médicos da Maternidade Alfredo da Costa e pela Dra. Maria Ana Sampaio da Cruz Vermelha Portuguesa. Nasceu no dia 4 de Junho de 2011 pelas 15:48, parto normal. Correu tudo bem, ela estava estável. Foi operado com 1mês de vida onde lhe fizeram shunt. Agora espera pela 2ª operação e, tudo indica, a definitiva. Tenho muita pena que sido triste a sua história. Beijinho,
    Alexandra Dias

  43. Geane Reply

    Que pena,tenho um filho de 12 anos,que fez a cirurgia e está sendo acompanhado e esta bem,infelizmente isto ocorre no Brasil;

  44. gilmar lino Reply

    Meu filho nasceu com esse problema congênito !tetralogia de fallot, infelizmente ele não resistiu por falta de atendimento. Faleceu com 3 dias de vida (nasceu dia 17/4/2012 e partiu dia 19/04/2012)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 4:06 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)