The Shard – À conquista dos ceus europeus

The ShardThe Shard of Glass” – À conquista dos ceus europeus.

Durante o século XX o mundo assistiu ao nascimento e proliferação dos arranha-ceus, estes colossos da engenharia e da arquitectura passaram a dominar o imaginário humano e a ser simbolo do poder de um país. Emprie State Building, Petrona Towers, Burj Al Arab, Twin Towers e muitos outros arriscaram ir onde nunca antes um edificio tinha chegado, quebraram barreiras arquitectónicas, paisagisticas e culturais. As suas figuras arrojadas, os seus interiores modernos e o seu potencial para albergar os mais variados serviços no seu interior, acabariam por conquistar o seu próprio espaço nas grandes metrópoles do mundo.

No entanto as questões impunham-se: qual será o limite destes edificios? Qual será o mais alto? Qual o que terá o design mais arrojado? A Europa sempre esteve um pouco à margem desta corrida não existindo muitos arranha-ceus que competissem com os americanos, asiáticos ou árabes.

Londres decidiu começar a mudar este rumo com a construção do “The Shard of Glass” junto ao rio Thames, colocando o velho continente na lista dos arranha-ceus mais altos do mundo na 45ª posição.

The Shard terá 310 metros de altura e está a ser construido ao lado de um dos maiores icones de Londres, a London Bridge, impondo-se e transformando para sempre a paisagem londrina como já não acontecia há décadas. A aventura do The Shard começa no ano 2000 quando o empresário Irvine Sellar, dono do quarteirão onde iria ser construido o The Shard, se encontra com o arquitecto italiano Renzo Piano em Berlim. Durante o almoço Sellar explica a Piano as suas intenções de construir um edificio icónico no centro de Londres. O arquitecto italiano vira então a ementa e faz um esboço do edificio assemelhando-se a um iceberg que emergiria do Rio Thames e parecendo ainda na sua forma triangular a vela de um navio.

As autoridades britânicas opuseram-se à construção do edificio durante algum tempo, somente após alguns inquéritos favoráveis e depois de estar garantido o “design excepcional (….) e estar garantida a sua extraordinária qualidade em termos arquitectónicos”, como diria o membro do governo britânico John Prescott, é que o edificio teve luz verde para avançar para o terreno. Constituído por 72 pisos o The Shard corta a paisagem londrina com o seu design arrojado em forma de triângulo ecom a sua estrutura externa composta exclusivamente por vidros, espelhando desta forma toda a paisagem que o rodeia. Os turistas e visitantes poderão subir ao último piso da torre e apreciar a vista de cortar a respiração que este proporcionará, ou não fosse este “miradouro” o mais alto da cidade de terras de sua majestade.

Tudo neste edificio, especialmente os números que o compõem, os andares mais baixos serão compostos essencialmente por escritórios, seguem-se dois pisos dedicados à restauração (entre os andares 31 e 33), a meio do estará o luxuoso hotel Shangri-la que ocupará no edificio o piso 34º ao 52º, seguem-se os andares residenciais do piso 53º ao 65º e por fim do 68º ao 72º será o observatório onde os turistas se poderão maravilhar com a paisagem londrina.

O edificio será composto por onze mil paineis de vidro que cobrirão o seu exterior dando-lhe o seu aspecto único e brilhante. A envolvente do edificio também será totalmente renovada, junto ao The Shard nascerá um outro edificio mais pequeno, com apenas 17 pisos, mas não menos imponente com espaço dedicado exclusivamente para escritórios, apelidado de The Place. Parte deste projecto consiste na revitalização do espaço pedestre que envolverá o edificio estando prevista a implementação de novas plantas e zonas de lazer. Para completar o espaço envolvente a estação de comboios de London Bridge e o terminal de autocarros localizados junto ao edificio também serão remodelados, ficando assim as suas instalações com um toque mais moderno e limpo. Igualmente proporcional ao seu tamanho é o seu valor de construção, actualmente o The Shard já tem um valor de construção calculado em 1,2 mil milhões de Libras (o que em euros se traduz em 1,3 mil milhões de euros)

A visão do seu mentor Irvine Sellar, The shard irá tornar esta zona de Londres num local mais “atraente, onde o comércio será beneficiado com a vinda dos novos trabalhadores e com as acessibilidades este será um espaço mai agradável”, como explicou ao site inglês This is London.

O The Shard tem abertura prevista para o próximo mês de Maio de 2012, mesmo a tempo da abertura dos Jogos Olímpicos que se irão realizar na capital inglesa poucos dias depois. O edificio será assim um novo atractivo para todos aqueles que irão deslocar-se a terras de sua majestade para se deliciarem com as grandes olimpiadas que têm também vindo a transformar o rosto de algumas áreas londrinas até aqui abandonadas.

O turista ganha assim mais dois motivos para começar a preparar as suas férias do próximo ano e (re)visitar uma das cidades mais cosmopolitas da Europa e uma das capitais que nunca saem de moda em termos turisticos e culturais “Londres”.
Saiba mais sobre o The Shard em www.the-shard.com

É totalmente proibida a copia deste artigo desde que citada a fonte original: https://www.fotosantesedepois.com/2011/07/16/the-shard

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 13/01/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 13/01/2018 às 4:06 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)