Vitamin B6 / Piridoxina: Deficiência, Alimentos, Reações adversas e Benefícios para a saúde

Os benefícios da vitamina B6 estão ligados à produção de energia, metabolismo de proteínas e equilíbrio hormonal em homens e mulheres.

Nas mulheres, a vitamina B6 promove níveis normais de estrogênio e progesterona e é usada para ajudar a superar a síndrome pré-menstrual.

Nos homens, ajuda a regular os níveis de testosterona e é usada para melhorar a disfunção erétil, especialmente quando isso está associado à formação de artérias ou diabetes.

Em homens e mulheres, a vitamina B6 pode aumentar a libido diminuindo a produção de prolactina – um hormônio que naturalmente reduz o desejo sexual.

Nomes Químicos: Piridoxina; 65-23-6; Piridoxol; Gravidox …
Fórmula molecular: C 8 H 11 NO 3
Peso molecular: 169,18 g / mol

Vitamin B6 Ou Piridoxina, Alimentos, Reações Adversas E Benefícios Para A Saúde

Benefícios da vitamina B6

A vitamina B6 consiste de um grupo de compostos que inclui a piridoxina, a piridoxal e a piridoxamina – que são todos convertidos na forma mais ativa, a piridoxina, no fígado.

A piridoxina é necessária para que mais de 100 enzimas funcionem adequadamente.

A vitamina B6 é essencial para o metabolismo de proteínas, carboidratos e ácidos graxos essenciais para produzir energia, e para a síntese de material genético, aminoácidos e neurotransmissores cerebrais e tem efeitos sobre o processamento mental, humor e equilíbrio hormonal.

O nutriente está envolvido na produção de ácido clorídrico no estômago e na regulação do equilíbrio de sais e líquidos para reduzir a retenção de água.

Aumenta a produção de anticorpos e o número e atividade de células imunológicas (linfócitos T4-helper) para aumentar a imunidade

Bons suprimentos de vitamina B6 são especialmente necessários para a divisão rápida das células, como as encontradas no intestino, pele, folículos pilosos e medula.

Também trabalha em conjunto com o folato e a vitamina B12 para estimular a degradação da homocisteína – um aminoácido que, se acumular, danifica as paredes dos vasos sanguíneos para acelerar o endurecimento e o enfraqueamento das artérias (aterosclerose).

Na UE, a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos indica que a vitamina B6 contribui para:

  • Síntese normal de cisteína
  • Metabolismo normal da homocisteína
  • Metabolismo normal de produção de energia
  • Metabolismo normal de proteínas e glicogênio
  • Funcionamento normal do sistema nervoso
  • Função psicológica normal
  • Formação normal de glóbulos vermelhos
  • Função normal do sistema imunológico
  • A redução do cansaço e fadiga
  • A regulação da atividade hormonal
  • Contribui para assimilar convenientemente as proteínas e os lípidos.
  • Ajuda a converter o aminoácido essencial triptofano em niacina.
  • Previne várias doenças de nervos e de pele.
  • Alivia as náuseas. Muitos medicamentos para prevenção dos enjoos matinais incluem este nutriente.
  • Favorece a síntese adequada dos ácidos nucleicos.
  • Ajuda a diminuir a secura da boca e os problemas urinários provocados pelos antidepressivos tricíclicos.
  • Reduz os espasmos musculares nocturnos, cãibras nas pernas, dormências nas mãos e certas formas de nevrite das extremidades.
  • Tem acção diurética natural.

Alimentos fontes de vitamina B6

Embora pequenas quantidades de vitamina B6 sejam armazenadas no fígado, músculos e cérebro, elas são solúveis em água e prontamente perdidas na urina, de modo que a ingestão regular é essencial.

Boas ingestões de vitamina B2, zinco e magnésio são necessárias para que a vitamina B6 funcione adequadamente.

O nutriente é amplamente encontrado em alimentos baseados em células, incluindo:

  • carne, especialmente frango, porco, fígado e rins
  • peixe oleoso e marisco
  • gema de ovo
  • cereais integrais, especialmente arroz integral
  • produtos de soja
  • nozes, especialmente amendoim e nozes
  • vegetais de folhas verdes
  • extrato de levedura
  • farelo e gérmen de trigo
  • sementes de soja
  • melão cantalupo
  • repolho
  • melaços,
  • aveia,
  • amendoins
  • nozes.

Até 70% da vitamina B6 presente na carne é perdida durante o processamento e cozedura.

A pasteurização reduz a piridoxina no leite em 20%, a conserva reduz em 20% a piridoxina vegetal e mais 40% é perdida na água quando os vegetais congelados são descongelados e cozidos.

Deficiência de vitamina B6

A deficiência do nutriente é incomum, no entanto, os primeiros sintomas da sua falta incluem mudanças de humor com depressão e um senso de responsabilidade reduzido.

Sintomas que podem ser causados ​​pela deficiência:

  • depressão
  • irritabilidade
  • ansiedade
  • baixo desejo sexual
  • dor de cabeça
  • erupção gordurosa na testa e ao redor do nariz.

Sintomas que podem ser causados ​​por deficiência grave de vitamina B6:

  • cisão e rachadura dos lábios e língua
  • úlceras orais recorrentes
  • língua vermelha e inflamada
  • pele queimando
  • anemia
  • dermatite seborreica
  • glossite
  • problemas de cabelo
  • nervosismo
  • aftas
  • inflamação da pele
  • retenção de liquídos.

Vitamina B6 e síndrome pré menstrual (SPM)

A vitamina B6 é um tratamento popular para os desequilíbrios hormonais e líquidos associados à segunda metade do ciclo menstrual.

A sua eficácia tem sido contestada, pois a pesquisa não mostrou uma associação consistente entre a ingestão de vitamina B6 e a presença de TPM.

No entanto, é possível que algumas mulheres não utilizem vitamina B6 de forma eficiente e, portanto, precisem de uma maior ingestão.

Uma revisão de 9 estudos envolvendo 940 mulheres com TPM descobriu que uma proporção de mulheres que tomavam o nutriente apresentou melhora nos sintomas em comparação com o placebo.

Embora a conclusão tenha sido limitada pela baixa qualidade dos estudos, os avaliadores afirmam que doses até 100 mg de vitamina B6 por dia são benéficas no tratamento dos sintomas pré-menstruais, incluindo a depressão pré-menstrual.

Outro estudo envolvendo 60 mulheres com SPM comparou os efeitos da o nutriente (piridoxina 100mg por dia) contra um medicamento prescrito (bromocriptina) e suplementos de ferro (sulfato ferroso).

Após 3 meses de tratamento, as mulheres que tomaram a vitamina B6 apresentaram uma taxa de resposta significativamente maior à bromocriptina e ao sulfato ferroso, além de menos efeitos colaterais.

Vitamina B6 e baixo desejo sexual

Acredita-se que a vitamina B6 aumenta a libido através de efeitos benéficos sobre o humor, o equilíbrio dos hormônios sexuais e suprimindo a produção do hormônio prolactina.

Um estudo envolvendo mulheres com baixo desejo sexual como resultado de tomar pílulas anticoncepcionais orais descobriu que doses de vitamina B6 variando de 20mg a 50mg por dia melhoraram a depressão e ajudaram a melhorar a libido.

Se você é do sexo feminino e tem baixo desejo sexual associado a baixo humor, TPM ou faz uso de métodos contraceptivos hormonais, vale a pena tentar um suplemento de vitamina B6.

Disfunção erétil

Além de regular o equilíbrio dos hormônios sexuais, a vitamina B6 está envolvida na quebra da homocisteína – um aminoácido que pode danificar os revestimentos das artérias quando acumula na circulação.

O endurecimento das artérias (aterosclerose) é uma das principais causas de dificuldades eréteis em homens mais velhos e naqueles com diabetes.

Tomar suplementos deste nutriente pode diminuir os níveis elevados de homocisteína em conjunto com o ácido fólico e vitamina B12 .

Especialistas geralmente recomendam que homens que apresentam disfunção erétil relacionada a níveis elevados de homocisteína devem receber tratamento para reduzir esse efeito (com ácido fólico, vitamina B6 e vitamina B12) antes de prosseguir com o tratamento com medicamentos como Viagra, Cialis ou Levitra.

Um estudo realizado numa clínica de disfunção erétil em Roma, Itália, avaliou 75 pacientes com problemas de ereção.

Seus níveis de folato e homocisteína foram medidos, e a todos foi prescrito Viagra (citrato de sildenafila) durante 2 meses.

Aqueles que não responderam ao Viagra receberam vitamina B6 e ácido fólico adicionais (assim como Viagra) por mais 6 semanas.

Os pesquisadores descobriram que 88,9% dos homens com altos níveis de homocisteína (devido aos genes que haviam herdado) e baixos níveis de folato, relataram uma melhora significativa nas ereções depois de realizar o tratamento com a combinação da vitamina, além de Viagra.

Se você tem dificuldades de ereção, um suplemento que combina vitamina B6 mais folato, pode ajudar se você tiver altos níveis de homocisteína.

Também pode melhorar a sua resposta ao Viagra.

Se os problemas persistirem, procure aconselhamento médico.

Vitamina B6 e diabetes

A deficiência de vitamina B6 pode aumentar o risco de desenvolver dor no nervo neuropático em pessoas com diabetes, levando a sensações desagradáveis ​​de queimadura e picadas que se parecem com agulhas.

Sugere-se também que a vitamina B6 pode proteger contra a retinopatia diabética.

Síndrome do túnel do carpo

A falta do nutriente também tem sido associada à dor associada à compressão do nervo na síndrome do túnel do carpo.

No entanto, quando os níveis de vitamina B6 foram medidos em 13 pessoas com diabetes e síndrome do túnel do carpo, não foram encontradas diferenças significativas entre aqueles com síndrome do túnel do carpo, aqueles sem neuropatia e indivíduos normais.

Embora os suplementos não sejam eficazes em todos os indivíduos, algumas pessoas respondem bem à suplementação – isso pode ser devido a uma mudança nos limiares de dor.

Doses muito elevadas devem ser evitadas, uma vez que podem, teoricamente, causar sintomas semelhantes devido à toxicidade.

Dosagem

A dose diária recomendada para adultos é de 1,6 a 2 mg. Os requisitos aumentam durante a gravidez e lactação (2,2 mg para as mulheres grávidas e 2,1 mg para as que amamentam).

A dieta ocidental média fornece 2 mg por dia.

Os suplementos multivitamínicos e os complexos de vitamina B incluem vitamina B6 em níveis entre 2mg e 100mg.

Segurança, toxidade e reações adversas

Tomar altas doses prolongadas acima de 10mg por dia pode causar sintomas nervosos reversíveis, como alfinetes e agulhas.

Doses diárias de 2 a 10 gramas podem provocar distúrbios neurológicos.

Agitação nocturna e uma evocação excessivamente realista dos sonhos podem ser sintomas de uma sobredosagem do nutriente.

Não são aconselhadas doses superiores a 500 miligramas (mg).

As mulheres grávidas devem consultar o médico antes de usarem doses superiores a 50 mg durante períodos longos.

Não deve ser ingerida por pessoas que façam tratamento com L-DOPA para a doença de Parkinson.

Doses de 100 mg ou mais estão disponíveis, mas são melhor utilizados sob supervisão de um nutricionista ou médico.

Doses muito elevadas de vitamina B6 podem causar dores de cabeça, acne, reacções cutâneas, náuseas, dor abdominal, perda de apetite e disfunção do fígado, além de potenciais sintomas relacionados com os nervos.

Outras Dicas

A vitamina B6 é hidrossolúvel e é eliminada oito horas após a sua ingestão.

Tal como as outras vitaminas do complexo B, necessita ser renovada através de alimentos ou suplementos.

É necessária em maior quantidade quando a alimentação é rica em proteínas.

Deve existir em quantidades adequadas para que o organismo possa fabricar anticorpos e glóbulos vermelhos.

Existem indícios de que as bactérias intestinais a podem fabricar e que esta síntese é realizada com o contributo dos alimentos vegetais ricos em celulose.

É essencial para a absorção adequada da vitamina B12.

É indispensável para a produção do ácido clorídrico e magnésio.

Suplementos

Está disponível em várias dosagens, desde 50 a 500 mg, em suplementos individuais, em fórmulas do complexo B e ainda em complexos multivitamínicos.

Para prevenir deficiências de outras vitaminas do complexo B, a piridoxina deve ser tomada em proporções iguais com a B1 e a B2.

Pode ser adquirida em comprimidos de acção prolongada que proporcionam uma dose relativamente constante durante dez horas.

Quais os inimigos da vitamina B6?

Armazenagem durante períodos prolongados, conservação em latas, carnes assadas ou guisadas, congelação de fruta e vegetais, água, técnicas de transformação industrial dos alimentos, álcool, estrogénios.

A lista abaixo mostra alguns fármacos que reduzem os níveis de vitamina B6. Consulte-a antes de tomar o próximo medicamento:

  • Dietiletilbestrol (estroderma)
  • Gynera, tri-gynera , mercilon
  • Lyndiol, ginoluton
  • Isoniazida
  • Meprednisona
  • Penicilamina
  • Penicilina
  • Prednisona

Qualquer um destes fármacos listados acima eliminam igualmente outras vitaminas e minerais.

Conselhos de uso

Se estiver a tomar a pílula anticoncepcional, é muito provável que necessite de aumentar o seu consumo.

As pessoas que consomem grandes quantidades de proteínas necessitam de quantidades adicionais.

A vitamina B6 pode diminuir as necessidades de insulina nos diabéticos e se a dose não for ajustada, pode ocorrer uma redução nos níveis de açúcar.

Os doentes com artrite tratados com Kelatine (penicilamina) deveriam tomar suplementos deste nutriente.

É mais eficaz em conjunto com as vitaminas B1, B2, ácido pantoténico, vitamina C e magnésio.

As pessoas que fazem tratamento com levodopa para a doença de Parkinson não devem tomar suplementos desta vitamina

Pergunte ao seu médico sobre o Sinemet, um fármaco que pode evitar esta interação adversa.

Informações que lhe podem ser Úteis:

Última atualização da página em 18/07/18 por:

Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)

Licenciada em Medicina Geral e uma apaixonada por Medicina Alternativa, Aromaterapia e Fitoterapia.

Faça um Comentário
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 18/07/2018 às 10:51 horas por: Dra. Alice Wegmann (Clínica Geral)