Viver com espondiloartrose

Uma das doenças reumatológicas mais comuns é a artrose. Contudo, existem diversos tipos de artrose, como por exemplo a espondiloartrose.

espondiloartrose

Esta doença ortopédica não tem cura e pode ser bastante limitativa no dia-a-dia. No entanto, com o devido tratamento, é possível controlar os sintomas da espondiloartrose e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Conheça melhor esta doença, e saiba ainda, como viver com espondiloartrose.

O que é a espondiloartrose?

A espondiloartrose é uma doença do grupo das artroses, e que causa várias alterações a nível da coluna dorsal, cervical e lombar, afetando por isso nervos, ligamentos, ossos e disco intervertebral.

Este último pode até ficar deformado, o que pode levar ao desenvolvimento de uma hérnia de disco.

(Conheça 5 Possíveis Tratamentos para a Hérnia de Disco).

É por isso uma doença que origina sensações dolorosas, podendo até, por vezes, ser incapacitante. Confira de seguida as causas, os sintomas, e ainda, o tratamento mais adequado para a espondiloartrose.

Causas da espondiloartrose

Existem várias origens para este problema, que pode estar relacionado com o envelhecimento, a própria genética, e ainda, esforços exagerados e a prática de atividade física.

Confira de seguida uma lista completa das causas que podem levar ao surgimento da espondiloartrose:

  • deformação do disco intervertebral;
  • desgaste ósseo;
  • esforços e movimentos repetitivos;
  • genética;
  • idade;
  • lesões desportivas;
  • posições posturais erradas;
  • traumatismos.

Sintomas da espondiloartrose

Esta doença manifesta-se especialmente através de dor, mas também, a redução da capacidade motora, força e flexibilidade muscular.

Os sintomas da doença estão associados à zona afetada. Ou seja, podem haver alguns sinais diferentes consoante seja uma espondiloartrose na lombar, dorsal ou cervical. Assim, os sintomas da espondiloartrose incluem:

  • redução da força muscular;
  • diminuição da flexibilidade;
  • dor nas costas que se espalha para os braços ou pernas (quando a doença afeta o sistema nervoso periférico);
  • dor nas costas que se agrava com o movimento e que alivia com o repouso.

Como diagnosticar a espondiloartrose

Caso haja a suspeita de existência da doença, o médico ortopedista irá pedir a realização de vários exames de diagnóstico, para despistar ou confirmar a doença.

Estes exames irão permitir visualizar a área afetada, de modo a verificar os danos na coluna, e ainda, a sua extensão e gravidade.

Os exames de diagnóstico incluem o raio x, uma ressonância magnética e uma tomografia computadorizada.

Tratamento

Como referimos em cima, este problema de saúde não tem cura, e como tal, o tratamento é direcionado para o alívio dos sintomas e a melhoria da capacidade motora e da qualidade de vida do paciente.

O tratamento para a espondiloartrose inclui medicação para a dor e para o desconforto, fisioterapia, e ainda, em casos em que o tratamento conservador não tem o efeito desejado, cirurgia.

Além do tratamento médico, há ainda um conjunto de alterações no estilo de vida, de modo a aprender a viver com espondiloartrose e saber lidar e adaptar-se a esse problema.

Confira de seguida em que consiste o tratamento fisioterapêutico, e ainda, como aprender a viver com espondiloartrose.

Fisioterapia

O tratamento fisioterapêutico para a espondiloartrose tem como função ajudar a aliviar sintomas e a retardar a degeneração da capacidade motora.

Esta doença é progressiva, e como tal, para manter alguma qualidade de vida ao longo dos anos, é provável que o paciente tenha de realizar tratamento fisioterapêutico de uma forma regular no decurso da sua vida.

A fisioterapia é por isso a componente mais importante do tratamento.

A fisioterapia para a espondiloartrose consiste na utilização de aparelhos específicos para o alívio da dor, na realização de alongamentos para melhorar o fluxo sanguíneo na zona afetada e melhorar a flexibilidade dessa região, e ainda, na realização de exercícios para corrigir posturas erradas.

De modo a otimizar o tratamento fisioterapêutico, o médico pode recomendar a toma de medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos para os dias onde sente maior desconforto e dor, e ainda, massagens de relaxamento e terapêuticas.

Há ainda vários cuidados a ter durante o dia a dia, de modo a proteger a coluna e impedir o agravamento do problema.

Estes cuidados incluem evitar grandes esforços e o levantamento de pesos, e ainda, o controlar o peso.

Viver com espondiloartrose

A espondiloartrose é uma doença progressiva e degenerativa, e como tal, é essencial que o paciente aprenda a lidar com o problema e a viver com ele.

Com o tratamento prescrito pelo médico e com alguns cuidados diários, é possível controlar a sintomatologia e manter a qualidade de vida ao longo dos anos. Uma das medidas mais importantes é a atividade física adequada e orientada.

Exercícios de alongamentos, caminhadas, Pilates, etc., são tudo exercícios que ajudam a contornar a dor e a adaptar-se às limitações provocadas pela espondiloartrose.

Enquanto que as caminhadas podem ser feitas sem supervisão, mesmo que autorizadas pelo seu médico, exercícios como os alongamentos e o Pilates devem ser realizados por um fisioterapeuta qualificado, de modo a evitar maiores problemas para a coluna.

Os exercícios de Pilates são especialmente úteis, pois ajudam a melhorar a flexibilidade e a amplitude dos movimentos, e ainda, a aliviar a dor.

A hidroterapia, devido ao facto de ser feito na água, é também uma opção bastante interessante, já que a água morna promove o relaxamento muscular e facilita a maior amplitude dos movimentos.

Outro cuidado que deve ter é ter uma alimentação balanceada e saudável, de modo a nutrir melhor o seu organismo, e ao mesmo tempo, promover a perda de peso.

O peso em excesso sobrecarrega ainda mais a coluna, e como tal, deve procurar emagrecer. Além disso, deve evitar todos os comportamentos que possam agravar ainda mais a doença, como esforços e más posturas.

Ver » Tratamento para Artrose

Informações que lhe podem ser Úteis:

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Última atualização da página: 15/01/2018 às 11:04 horas por: Filipe